BÍBLIA CATÓLICA ONLINE

      Dicionário | AVISOS | Reiniciar  ||  Início  ->  Bíblia  


Bíblia Online
   
Livro:
Capítulo:

Pesquisar na Bíblia:

<- no máximo

Publique a bíblia acima
em seu blog ou site!



Pesquisa da bíblia

HISTÓRICO: Livro de Ester (Est), capítulo 1 |
1aLIVRO DE ESTER - SITUAÇÃO. SONHO DE MARDOQUEU
Foi no tempo de Assuero, que reinou desde a Índia até a Etiópia sobre cento e vinte e sete províncias.
1aNo segundo ano do reinado de Artaxerxes, o grande rei, no primeiro dia do mês de Nisã, Mardoqueu, filho de Jair, filho de Semei, filho de Cis, da tribo de Benjamim, que servia na corte real, teve um sonho. O sonho foi este: Apareceram vozes e tumulto, trovões e terremotos, e uma grande perturbação sobre a terra. De repente, avançaram dois enormes dragões, preparados ambos para atacar. Sua luta ficou encarniçada, e eles começaram a vencer. Reuniram-se as nações, num dia tenebroso e triste, e houve uma grande perturbação entre os habitantes da terra. Temendo a destruição, clamaram para Deus. Do som do seu clamor surgiu uma pequena fonte, que se tornou um imenso rio e redundou num grande mar. A luz e o sol apareceram, os humildes foram exaltados e acabaram com os nobres. Tendo tido este sonho, Mardoqueu, ao levantar-se do leito, refletiu sobre o que Deus quereria fazer. Fixou o sonho em sua mente, até que fosse revelado.
2O BANQUETE DE ASSUERO
Depois de ter ocupado o trono do seu reino na cidade de Susa, no terceiro ano do seu império,
3o rei ofereceu um grande banquete a todos os seus príncipes e servidores, os mais poderosos entre os persas e os medos, os nobres e prefeitos das províncias.
4Ele o fez com a intenção de mostrar-lhes as riquezas da glória do seu reino, e o esplendor e a magnificência da sua grandeza. Isto, durante muito tempo, a saber, cento e oitenta dias.
5Tendo-se completado os dias do banquete, ele convidou a todo o povo que se achava em Susa, do maior ao menor. E durante sete dias mandou que se realizasse outro banquete no vestíbulo do jardim do palácio real.
6Estendiam-se por toda parte cortinas de linho e de musselina e de jacinto, sustentadas por cordões de linho e de púrpura, que se inseriam em círculos de prata e se apoiavam em colunas de mármore. Havia também divãs de ouro e de prata, alinhados sobre o pavimento calçado com pedras de esmeralda e pário, e outras de várias cores.
7Os convidados bebiam em copos de ouro, de formas e tamanhos diferentes. Também o vinho, de acordo com a magnificência real, era servido com abundância e de qualidade.
8Mas ninguém era obrigado a beber, pois o rei havia determinado a todos os superintendentes do palácio, que agissem de acordo com a vontade de cada um. A rainha Vasti recusa comparecer
9Também a rainha Vasti organizou, no palácio real, onde o rei Assuero costumava residir, um banquete para as mulheres.
10No sétimo dia, como o rei estava mais alegre por causa do vinho, deu ordem aos sete eunucos que o serviam – Maumá, Bazata, Harbona, Bagata, Abgata, Zetar e Carcás –
11que introduzissem a rainha Vasti diante do rei, ela trazendo sobre a cabeça o diadema real. Assuero queria exibir, diante de todos os povos e príncipes a beleza da rainha. De fato, era muito linda.
12Mas ela recusou-se a comparecer, apesar da ordem do rei, que lhe fora transmitida pelos eunucos. Irado e ardendo em cólera,
13o rei interrogou os sábios, que conheciam os tempos, e a cujo conselho recorria para tomar qualquer decisão, pois eles eram entendidos nas leis e no direito dos antepassados.
14Os mais próximos eram Carsena, Setar e Admata, Tarsis e Mares, Marsana e Mamucá, sete chefes dos persas e dos medos, que viam a face do rei e ocupavam os primeiros lugares no reino. Ele interrogou-os:
15“Segundo a lei, o que se deve fazer à rainha Vasti, que se recusou a cumprir a ordem do rei Assuero, manifestada a ela pelos eunucos?”
16Respondeu Manucá, sendo ouvido pelo rei e os príncipes: “A rainha Vasti ofendeu não só ao rei, mas a todos os príncipes e povos que vivem em todas as províncias do rei Assuero.
17Pois a sua atitude chegará a todas as mulheres, fazendo que elas desrespeitem seus maridos, justificando-se assim: ‘O rei Assuero mandou que a rainha Vasti se apresentasse a ele, e ela recusou-se’.
18E nesse mesmo dia, todas as esposas dos príncipes persas e medos dirão aos príncipes do rei a palavra que ouviram da rainha. E o resultado vai ser despeito e indignação!
19Se o rei achar bom, promulgue-se um decreto de tua parte, para ser incluído entre as leis dos persas e dos medos, que são irrevogáveis, para que nunca mais Vasti se apresente ao rei, e que outra mulher, melhor do que ela, receba o seu título de rainha.
20Divulgue-se isto em todo o vastíssimo império das tuas províncias, e todas as esposas, tanto as dos grandes como as do povo, respeitarão os seus maridos”.
21A proposta agradou ao rei e aos príncipes, e o rei fez o que Mamucá tinha aconselhado.
22Enviou, pois, cartas a todas as províncias do seu reino, conforme cada nação pudesse ouvir e ler, nas diversas línguas e alfabetos, recordando que os maridos são os príncipes e chefes em suas casas, e que devem manter submissas as suas mulheres.

PESQUISAR
 


Bíblia Católica Online