||  Início  ->  Quem é o maior?

Quem é o maior? (23-09-2012)

Primeira Leitura:
SAPIENCIAL: Livro da Sabedoria (Sb), capítulo 2
(12) Cerquemos o justo, porque ele nos incomoda, é contrário às nossas ações, ele nos censura por violar a lei e nos acusa de contrariar a nossa educação. (13) Ele se gaba de conhecer a Deus, e se chama a si mesmo filho do Senhor! (14) Sua existência é uma censura às nossas idéias, basta sua vista para nos importunar. (15) Sua vida, com efeito, não se parece com as outras, e os seus caminhos são muito diferentes. (16) Ele nos tem por uma moeda de mau quilate, e afasta-se de nosso caminhos como de manchas. Julga feliz a morte do justo, e gloria-se de ter Deus por pai. (17) Vejamos, pois, se suas palavras são verdadeiras, e experimentemos o que acontecerá quando da sua morte, (18) porque, se o justo é filho de Deus, Deus o defenderá, e o tirará das mãos dos seus adversários. (19) Provemo-lo por ultrajes e torturas, a fim de conhecer a sua doçura e estarmos cientes de sua paciência. (20) Condenemo-lo a uma morte infame. Porque, conforme ele, Deus deve intervir.

Segunda Leitura:
EPISTOLAS CATÓLICAS: Epístola de São Tiago (Tg), capítulo 3
(16) Onde houver ciúme e contenda, ali há também perturbação e toda espécie de vícios. (17) A sabedoria, porém, que vem de cima, é primeiramente pura, depois pacífica, condescendente, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, nem fingimento. (18) O fruto da justiça semeia-se na paz para aqueles que praticam a paz.
EPISTOLAS CATÓLICAS: Epístola de São Tiago (Tg), capítulo 4
(1) Donde vêm as lutas e as contendas entre vós? Não vêm elas de vossas paixões, que combatem em vossos membros? (2) Cobiçais, e não recebeis, sois invejosos e ciumentos, e não conseguis o que desejais, litigais e fazeis guerra. Não obtendes, porque não pedis. (3) Pedis e não recebeis, porque pedis mal, com o fim de satisfazerdes as vossas paixões.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São Marcos (Mc), capítulo 9
(30) Tendo partido dali, atravessaram a Galiléia. Não queria, porém, que ninguém o soubesse.
(31) E ensinava os seus discípulos: O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-lo-ão, e ressuscitará três dias depois de sua morte.
(32) Mas não entendiam estas palavras, e tinham medo de lho perguntar.
(33) Em seguida, voltaram para Cafarnaum. Quando já estava em casa, Jesus perguntou-lhes: De que faláveis pelo caminho?
(34) Mas eles calaram-se, porque pelo caminho haviam discutido entre si qual deles seria o maior.
(35) Sentando-se, chamou os Doze e disse-lhes: Se alguém quer ser o primeiro, seja o último de todos e o servo de todos.
(36) E tomando um menino, colocou-o no meio deles, abraçou-o e disse-lhes:
(37) Todo o que recebe um destes meninos em meu nome, a mim é que recebe, e todo o que recebe a mim, não me recebe, mas aquele que me enviou.
Homilia do Padre Paulo Ricardo : PLAYER AQUI
Homilia do Padre José Ruy:PLAYER AQUI
Presbíteros: Ver Roteiro Homilético
Ver Comentário Exegético
Ver Homilia de Dom Henrique Soares
Ver Homilia do Pe. Françoá Costa
Canção Nova: Homilia

 

Nos foi entregue um menino

Com o gesto profético de abraçar um menino, Jesus nos ensina que a presença de Deus se esconde na humildade e na pequenez.

Nas aparições do Menino Jesus, ao longo da história da Igreja, revisitamos o mistério de Deus que assume nossa fragilidade e “ficou entregue” nas mãos dos homens (cf. Mc 9, 31).

A partir daí, a vulnerabilidade será a marca inconfundível do amor. A Cruz pressupõe a Encarnação! É o insondável mistério do Amor que se deixa atingir pelo desamor e do Deus que se rebaixa e fica ao alcance de nossas mãos.

Imitando a entrega de Nosso Senhor, cabe a nós abaixar o escudo e correr o risco de amar. “Ser o último de todos e aquele que serve a todos” (Mc 9, 35).

Padre Paulo Ricardo