Católicos Online

     ||  Início  ->  Aos pés do Senhor

Aos pés do Senhor (17-07-2016)

Primeira Leitura:
PENTATEUCO: Livro do Gênesis (Gn), capítulo 18
(1) O Senhor apareceu a Abraão nos carvalhos de Mambré, quando ele estava assentado à entrada de sua tenda, no maior calor do dia. (2) Abraão levantou os olhos e viu três homens de pé diante dele. Levantou-se no mesmo instante da entrada de sua tenda, veio-lhes ao encontro e prostrou-se por terra. (3) “Meus senhores, disse ele, se encontrei graça diante de vossos olhos, não passeis avante sem vos deterdes em casa de vosso servo. (4) Vou buscar um pouco de água para vos lavar os pés. (5) Descansai um pouco sob esta árvore. Eu vos trarei um pouco de pão, e assim restaurareis as vossas forças para prosseguirdes o vosso caminho, porque é para isso que passastes perto de vosso servo.” Eles responderam: “Faze como disseste.” (6) Abraão foi depressa à tenda de Sara: “Depressa, disse ele, amassa três medidas de farinha e coze pães.” (7) Correu em seguida ao rebanho, escolheu um novilho tenro e bom, e deu-o a um criado que o preparou logo. (8) Tomou manteiga e leite e serviu aos peregrinos juntamente com o novilho preparado, conservando-se de pé junto deles, sob a árvore, enquanto comiam. (9) E disseram-lhe: “Onde está Sara, tua mulher?” “Ela está na tenda”, respondeu ele. (10) E ele disse-lhe: “Voltarei à tua casa dentro de um ano, a esta época, e Sara, tua mulher, terá um filho.” Ora, Sara ouvia por detrás, à entrada da tenda.

Segunda Leitura:
EPÍSTOLAS DE SÃO PAULO: Epístola aos Colossenses (Cl), capítulo 1
(24) Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja. (25) Dela fui constituído ministro, em virtude da missão que Deus me conferiu de anunciar em vosso favor a realização da palavra de Deus, (26) mistério este que esteve escondido desde a origem às gerações (passadas), mas que agora foi manifestado aos seus santos. (27) A estes quis Deus dar a conhecer a riqueza e glória deste mistério entre os gentios: Cristo em vós, esperança da glória! (28) A ele é que anunciamos, admoestando todos os homens e instruindo-os em toda a sabedoria, para tornar todo homem perfeito em Cristo.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São Lucas (Lc), capítulo 10
(38) Estando Jesus em viagem, entrou numa aldeia, onde uma mulher, chamada Marta, o recebeu em sua casa.
(39) Tinha ela uma irmã por nome Maria, que se assentou aos pés do Senhor para ouvi-lo falar.
(40) Marta, toda preocupada na lida da casa, veio a Jesus e disse: Senhor, não te importas que minha irmã me deixe só a servir? Dize-lhe que me ajude.
(41) Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, andas muito inquieta e te preocupas com muitas coisas,
(42) no entanto, uma só coisa é necessária, Maria escolheu a boa parte, que lhe não será tirada.
Homilia do : Padre Paulo Ricardo
Homilia do Padre Miguel:---
Presbíteros: Ver Roteiro Homilético
Ver Comentário Exegético
Ver Homilia de Dom Henrique Soares
Ver Homilia de Mons. José Maria
Ver Homilia do Pe. Françoá Costa
Canção Nova: Homilia

16.º Domingo do Tempo Comum - A alma de todo apostolado

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc
10, 38-42)

Naquele tempo, Jesus entrou num povoado, e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escutava a sua palavra.

Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: "Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha, com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!"

O Senhor, porém, lhe respondeu: "Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada".

*

Parece intrigante, a um olhar desatento, que o mesmo Verbo de Deus, que tantas vezes condena a fé sem as obras (cf. Mt 7, 21; Tg 2, 17), venha agora, no Evangelho deste domingo, repreender Marta (Santa Marta!) por estar trabalhando — e trabalhando justamente para servi-Lo!

A lição desta narrativa, todavia, só pode ser apreendida a partir do fato de que Deus vê o íntimo dos corações (cf. 1 Sm 16, 7). Não se trata, portanto, de opor "vida ativa" a "vida contemplativa", "ação" a "oração", como se fossem coisas contrastantes ou distantes uma da outra, mas de ter o coração no devido lugar. Marta é repreendida por sua inquietude — o original grego traz a palavra μεριμνᾷς (merimnas), que quer dizer, literalmente, "divisão" —, ao passo que Maria escolheu "a melhor parte", que é uma só e a única necessária. O que interessa na vida de quem segue a Cristo não é tanto se a pessoa "reza mais", como Maria, ou "age mais", como Marta; se se isola num claustro, como Santa Teresinha do Menino Jesus, ou se prodigaliza em obras de caridade, como São Vicente de Paulo; se escolhe a vida religiosa, como São Pio de Pietrelcina, ou se prefere formar uma família, como São Luís e Santa Zélia Martin. Em todas essas formas de vida a santidade é possível, mas, no fundo, uma só é a via que conduz à perfeição; múltiplas são as vocações, mas o caminho continua o mesmo: ser santo significa ser transformado por Deus, experimentando interiormente um processo pascal de morte e ressurreição.

Isso só se dá, na prática, a partir da oração, porque não é possível ser santo sem rezar, e sem rezar muito. Maria, no Evangelho deste domingo, coloca-se aos pés do divino Mestre para escutar a Sua Palavra. Antes que enviasse Seus discípulos em missão, Jesus os chama para que convivam com Ele, para que O conheçam e partilhem de Sua vida. Nós também, se quisermos começar para valer esta empresa, precisamos exercitar, por meio da oração, a nossa : embora ela nos pareça pequena, do tamanho de um grão de mostarda, se a cultivarmos, ela crescerá e se erguerá sobre todas as demais árvores que existem.

A vida de apostolado, por sua vez, serve para matarmos o nosso egoísmo e as nossas paixões desordenadas, porque nos coloca no serviço incondicional ao próximo. Esse é o sinônimo da "paternidade" à qual todos os homens e mulheres maduros somos chamados: nós não existimos para nós mesmos, mas para os nossos filhos — biológicos ou espirituais.

Só não nos podemos esquecer — e nós, a exemplo da agitada Marta, facilmente nos esquecemos — de retornar sempre aos pés de Nosso Senhor, porque a vida de oração íntima com Deus é "a alma de todo apostolado". Se formos generosos neste caminho e determinados em nossa busca, rapidamente Deus começará a agir com mais intensidade em nós, transformando-nos nos santos que Ele desde toda a eternidade planejou que fôssemos.

Padre Paulo Ricardo


Aos pés do Senhor

O Senhor hoje nos acolhe em sua Casa, hospeda-nos ao redor do seu Altar sagrado, para nos falar de hospitalidade. Aquele que nos hospeda bate à nossa porta, humildemente, como hóspede, esperando ser acolhido por nós: “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo” (Ap 3,20). Abramos para ele nosso coração e nossa vida.

A Palavra de Deus apresenta-nos, nas leituras deste Domingo, dois modos de acolher o Senhor; dois modos distintos, mas que se relacionam e mutuamente se condicionam. O primeiro, é acolhendo-o na sua Palavra, como Maria, a irmã de Marta e de Lázaro. Para nós, ela é modelo do discípulo perfeito, pois “sentou-se aos pés do Senhor, e escutava sua palavra”. Marta também acolheu Jesus, mas é um acolhimento exterior e, portanto, superficial, como o daqueles que são cristãos tão empenhados em trabalhar por Cristo e em falar de Cristo, que esquecem de estar com Cristo, de realmente dar-lhe atenção na escuta da Palavra e na oração. Ora, é nisto, precisamente, que Maria, hoje, é exemplo para nós: “sentou-se aos pés do Senhor”. – Vejam a disponibilidade, à atenção à Pessoa de Cristo, a disposição em acolher a Palavra que brota do coração do Salvador: “escutava sua palavra”. Aqui, cabe-nos perguntar: neste mundo dispersivo e agitado, neste mundo da competição e do estresse, tenho tido tempo, realmente, para acolher o Cristo que bate à minha porta? “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei…” Não tenhamos dúvida que grande parte da crise de fé e de entusiasmo de muitos cristãos decorre da falta desse acolhimento íntimo em relação ao Senhor, da incapacidade de hospedá-lo no nosso afeto e no nosso coração pela escuta da Palavra que se torna oração amorosa e perseverante. Talvez sirva para todos nós, ativos em excesso e dispersos contumazes, a advertência de Jesus: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária”. Qual? Que coisa é a única necessária? Estar aos pés do Senhor, abrindo-se à sua Palavra: “O homem não vive somente de pão, mas de toda Palavra que sai da boca de Deus” (Mt 4,4). É esta a parte que Maria escolheu e que, por nós escolhida, jamais nos será tirada, porque Deus é fiel!

Mas, há um outro modo de acolher Aquele que está à porta e bate. Este modo deve decorrer da escuta da Palavra e mostra se essa Palavra é eficaz na nossa vida. Trata-se de acolher os outros, de hospedá-los no nosso coração e na nossa vida. Recordemos a cena de Abraão, nosso pai na fé. Colhamos os detalhes! Abraão estava sentado, talvez descansando do almoço, “no maior calor do dia”. Ao ver os estrangeiros que lhe estão próximos, corre ao encontro deles. Observem a solicitude de nosso pai na fé: não os conhecia, mas corre, com pressa, até eles e os reverencia: “Assim que os viu, correu ao seu encontro e prostrou-se por terra”. Observem a insistência no convite para que os estranhos comam de sua mesa; notem a solicitude em preparar rápido o melhor que tem: entrou logo na tenda, tomou farinha fina, correu ao rebanho e pegou um dos bezerros mais tenros e melhores, pegou coalhada e colocou tudo diante dos hóspedes… Por que fez isso? Porque tem fé! Para Abraão, não existe acaso. Notem como ele diz aos estrangeiros: “Foi para isso mesmo que vos aproximastes do vosso servo”. Ou seja: fizestes-vos próximos de mim para que eu me faça próximos de vós e vos sirva! Notem ainda como a situação se inverte: ao início, Abraão estava sentado e os hóspedes, de pé; agora, Abraão está de pé, servindo, e os hóspedes, comodamente sentados. Sem saber, naqueles estrangeiros, acolhidos desinteressadamente, Abraão estava acolhendo o próprio Senhor. E, ao fazê-lo, ao esquecer-se de si para preocupar-se com os outros, tornou-se fecundo: “Onde está Sara, tua mulher? Voltarei, sem falta, no ano que vem, por esse tempo, e sara, tua mulher, já terá um filho!” Bendita hospitalidade, que gera vida! Bendito sair de nós, que nos torna fecundos!

Domingo passado, a Palavra nos fazia perguntar: quem é o meu próximo? Pois hoje, a pergunta volta, insistente: quem são aqueles e aquelas que estão de pé, à porta da minha tenda esperando que eu os acolha no meu coração e na minha atenção? Pensemos nos pobres, nos desvalidos, nos sem amor, nos que caíram, nos que se sentem sozinhos, nos que batem à nossa porta pedindo uma esmola e nos que pedem atenção, respeito, compreensão, perdão e amor… Somos tão tentados ao fechamento no nosso mundo e nas nossas preocupações! E, no entanto, neles, o Senhor bate à nossa porta, pede-nos hospedagem: “Eis que estou à porta e bato!” E isso não é de hoje nem de ontem: desde Belém, que ele está à porta, desde Belém, que ele procura o nosso acolhimento! Desde Belém, não “havia lugar para ele na hospedaria” (Lc 2,7).

Então, somente poderemos hospedar Jesus em plenitude quando estes dois modos se completam: hospedá-lo na escuta da Palavra e no silêncio da oração e hospedá-lo naqueles que vêm a nós pelos caminhos da vida. Calha maravilhosamente hoje o conselho do Autor da Carta aos Hebreus: “O amor fraterno permaneça. Não vos esqueçais da hospitalidade, porque graças  ela alguns, sem saber, acolheram anjos” (Hb 13,1s). Mais que anjos: acolheram o próprio Deus, aquele que disse: “Em verdade vos digo: cada vez que o fizestes a um desses irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes!” (Mt 25,40).

Que o Senhor nos conceda hospedar sempre, para que encontremos hospedagem no seu coração. A ele a glória para sempre. Amém.

Dom Henrique Soares