||  Início  ->  Os Frutos do Amor

Os Frutos do Amor! (02/10/2011)

Primeira Leitura:
PROFETAS MAIORES: Livro de Isaías (Is), capítulo 5
(1) Eu quero cantar para o meu amigo seu canto de amor a respeito de sua vinha: meu amigo possuía uma vinha num outeiro fértil. (2) Ele a cavou e tirou dela as pedras, plantou-a de cepas escolhidas. Edificou-lhe uma torre no meio, e construiu aí um lagar. E contava com uma colheita de uvas, mas ela só produziu agraço. (3) E agora, habitantes de Jerusalém, e vós, homens de Judá, sede juízes entre mim e minha vinha. (4) Que se poderia fazer por minha vinha, que eu não tenha feito? Por que, quando eu esperava vê-la produzir uvas, só deu agraço? (5) Pois bem, mostrar-vos-ei agora o que hei de fazer à minha vinha: arrancar-lhe-ei a sebe para que ela sirva de pasto, derrubarei o muro para que seja pisada. (6) Eu a farei devastada, não será podada nem cavada, e nela crescerão apenas sarças e espinhos, vedarei às nuvens derramar chuva sobre ela. (7) A vinha do Senhor dos exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a planta de sua predileção. Esperei deles a prática da justiça, e eis o sangue derramado, esperei a retidão, e eis os gritos de socorro.
Segunda Leitura:
EPÍSTOLAS DE SÃO PAULO: Epístola aos Filipenses (Fl), capítulo 4
(6) Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. (7) E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus. (8) Além disso, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é nobre, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, tudo o que é virtuoso e louvável, eis o que deve ocupar vossos pensamentos. (9) O que aprendestes, recebestes, ouvistes e observastes em mim, isto praticai, e o Deus da paz estará convosco.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São Mateus (Mt), capítulo 21
(33) Ouvi outra parábola: havia um pai de família que plantou uma vinha. Cercou-a com uma sebe, cavou um lagar e edificou uma torre. E, tendo-a arrendado a lavradores, deixou o país.
(34) Vindo o tempo da colheita, enviou seus servos aos lavradores para recolher o produto de sua vinha.
(35) Mas os lavradores agarraram os servos, feriram um, mataram outro e apedrejaram o terceiro.
(36) Enviou outros servos em maior número que os primeiros, e fizeram-lhes o mesmo.
(37) Enfim, enviou seu próprio filho, dizendo: Hão de respeitar meu filho.
(38) Os lavradores, porém, vendo o filho, disseram uns aos outros: Eis o herdeiro! Matemo-lo e teremos a sua herança!
(39) Lançaram-lhe as mãos, conduziram-no para fora da vinha e o assassinaram.
(40) Pois bem: quando voltar o senhor da vinha, que fará ele àqueles lavradores?
(41) Responderam-lhe: Mandará matar sem piedade aqueles miseráveis e arrendará sua vinha a outros lavradores que lhe pagarão o produto em seu tempo.
(42) Jesus acrescentou: Nunca lestes nas Escrituras: A pedra rejeitada pelos construtores tornou-se a pedra angular, isto é obra do Senhor, e é admirável aos nossos olhos (Sl 117,22)?
(43) Por isso vos digo: ser-vos-á tirado o Reino de Deus, e será dado a um povo que produzirá os frutos dele.
(224) Homilia do Padre Paulo Ricardo:PLAYER AQUI

Os Frutos do Amor

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Inspirai Senhor as nossas orações e ajudai-nos a realizá-las, para que em Vós comece e para Vós termine tudo aquilo que fizermos por Cristo Senhor nosso, Amém. Santa Maria mãe de Deus, rogai por nós, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Amém.

Deus nos cerca de carinho, faz em nós um lagar (um coração) capaz de amar, constrói uma torre de guarda que nos proteja. Mas depois de todo este amor, ele viaja para o estrangeiro, se esconde de nós, e espera os frutos do nosso amor. O mistério da parábola dos vinhateiros é o mistério de um Deus que se faz mendigo do amor humano.
O onipotente espera o nosso amor, os nossos frutos no tempo devido …

O pecado é um estado de esquecimento.
Deus esconde seu rosto não porque não nos ama, mas porque ele quer nosso amor de volta.
Quando perguntamos 'onde está Deus?', é a revolta dos vinhateiros que recusam o amor e preferem o egoísmo. Quanta gente age assim?

Ele morreu na cruz, deu-nos tantos intercessores, Maria Santíssima... e agora não somos capazes de carregar nossas cruzes e amar de volta?

Este evangelho nos ensina a gratidão. O que falta é a eucaristia, pois 'Eucaristia' quer dizer ação de graças. Se não amarmos de volta seremos os filhos ingratos que Jesus tenta desmascarar na parábola.
Se você se sente rejeitado, esquecido... lembre-se de que temos em nós a pedra angular que nos faz capar de amar e reverter essa situação.

A carta aos Felipenses na segunda leitura faz uma lista dos frutos que precisamos dar enquanto filhos de Deus. Assim, o Deus da paz estará conosco. Se praticarmos o amor, daremos a Deus os frutos que Ele de nós espera.

Padre Paulo Ricardo

Catequese Bíblico-Missionária

O Ano Litúrgico é uma grande escola para conhecermos Jesus, sua missão e os caminhos a seguir.

A comunidade apostólica

Os primeiros cristãos de origem judaica colocavam-se diante do problema: Se Deus escolheu um povo para ser o depositário das promessas, das alianças, por que agora os pagãos entram em igualdade? Paulo é claro; "A eles pertence a adoção filial, a glória.... e dos quais descende Cristo segundo a carne" (Rm 9,1-5). E diz também: "Israel ficou endurecido" (Rm 11,7). Como recusaram, não perderam, mas sua queda resultou em salvação dos gentios...". "Se a rejeição resultou na reconciliação do mundo, o que será seu acolhimento" (Rm 11,15). Os judeus não foram recusados. Ap tronco da oliveira doméstica foi enxertada a oliveira selvagem. Se esta floresceu, quanto mais florescerá o ramo natural (Rm 11,16-36).

A profecia de Isaías mostra o desencanto de Deus e a justiça contra essa ausência de correspondência ac projeto de Deus usando a imagem da vinha.

A grande recusa

O texto da parábola de hoje é uma síntese da história do povo e de suas contínuas recusas ao plano de Deus. Ela é dedicada aos chefes do povo. O homem plantou uma. vinha, cuidou e alugou (há um modo próprio de participação dos locatários). Ele mandou os servos buscarem*sua parte. Mataram-nos. Estes são os profetas. Mandou por fim Jesus, o Filho, que foi morto fora das portas da cidade. Esse Jesus será a pedra angular do novo edifício. O Papa Bento XVI escreveu que os judeus não são responsáveis pela morte de Jesus, e sim, os chefes políticos e religiosos do povo naquele tempo. As pessoas se tornam responsáveis na medida em que condividem esses sentimentos.

Conhecemos o que Deus fez por seu povo e agora por nós que recebemos a herança de Deus. Deus é fiel. Se não formos fiéis, Ele pode confiar a outros o cuidado de sua plantação. Deus se comprometeu em aliança a fazer sua parte. Ele sempre será fiel. A Igreja, povo de Deus, continua na herança de Israel. Se repetirmos o que fizeram os chefes dos judeus, poderemos passar pela mesma situação de exclusão. Muitas vezes nos questionamos pelo abandono de tantos da Igreja. Temos as seitas, o ateísmo, o laicismo e outros nomes. Será que não estamos obstruindo o caminho com leis, costumes, políticas religiosas, filosofias que pouco têm a ver com o Evangelho? A vinha será dada a outros que possam produzir para Deus. Se formos mais coerentes, não daremos um testemunho melhor? O que podemos fazer para corresponder amorosamente aos compromissos que Deus teve para conosco.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Missionário Redentorista