||  Início  ->  Eu Não!

Eu Não! (11/12/2011)

Primeira Leitura:
PROFETAS MAIORES: Livro de Isaías (Is), capítulo 61
(1) O espírito do Senhor repousa sobre mim, porque o Senhor consagrou-me pela unção, enviou-me a levar a boa nova aos humildes, curar os corações doloridos, anunciar aos cativos a redenção, e aos prisioneiros a liberdade, (2) proclamar um ano de graças da parte do Senhor, e um dia de vingança de nosso Deus, consolar todos os aflitos, (3) dar-lhes um diadema em vez de cinzas, o óleo da alegria em vez de vestidos de luto, cânticos de glória em lugar de desespero. Então os chamarão as azinheiras da justiça, plantadas pelo Senhor para sua glória. (4) Reconstruirão as ruínas antigas, reerguerão as relíquias do passado, restaurarão as cidades destruídas, repararão as devastações seculares, (5) virão estrangeiros apascentar vosso gado miúdo, gente de fora vos servirá de lavradores e vinhateiros, (6) a vós chamar-vos-ão sacerdotes do Senhor, de ministros de nosso Deus sereis qualificados. Vós vos alimentareis com as riquezas das nações, e brilhareis com sua opulência. (7) Já que tiveram parte dupla de vergonha e tiveram como quinhão opróbrios e escarros, receberão em sua terra parte dupla de herança, e a alegria deles será eterna. (8) Porque eu, o Senhor, amo a eqüidade, e detesto o fruto da rapina, por isso vou dar-lhes fielmente sua recompensa, e concluir com eles uma aliança eterna. (9) Sua raça tornar-se-á célebre entre as nações, e sua descendência entre os povos: todos, vendo-os, reconhecerão que são a abençoada raça do Senhor. (10) Com grande alegria eu me rejubilarei no Senhor e meu coração exultará de alegria em meu Deus, porque me fez revestir as vestimentas da salvação. Envolveu-me com o manto de justiça, como um neo-esposo cinge o turbante, como uma jovem esposa se enfeita com suas jóias. (11) Porque, quão certo o sol faz germinar seus grãos e um jardim faz brotar suas sementes, o Senhor Deus fará germinar a justiça e a glória diante de todas as nações.
Segunda Leitura:
EPÍSTOLAS DE SÃO PAULO: Primeira Epístola aos Tessalonicenses (1Ts), capítulo 5
(16) Vivei sempre contentes. (17) Orai sem cessar. (18) Em todas as circunstâncias, dai graças, porque esta é a vosso respeito a vontade de Deus em Jesus Cristo. (19) Não extingais o Espírito. (20) Não desprezeis as profecias. (21) Examinai tudo: abraçai o que é bom. (22) Guardai-vos de toda a espécie de mal. (23) O Deus da paz vos conceda santidade perfeita. Que todo o vosso ser, espírito, alma e corpo, seja conservado irrepreensível para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo! (24) Fiel é aquele que vos chama, e o cumprirá.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São João (Jo), capítulo 1
(6) Houve um homem, enviado por Deus, que se chamava João.
(7) Este veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que todos cressem por meio dele.
(8) Não era ele a luz, mas veio para dar testemunho da luz.
(9) [O Verbo] era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem.
(10) Estava no mundo e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o reconheceu.
(11) Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam.
(12) Mas a todos aqueles que o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus,
(13) os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus.
(14) E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade.
(15) João dá testemunho dele, e exclama: Eis aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim é maior do que eu, porque existia antes de mim.
(16) Todos nós recebemos da sua plenitude graça sobre graça.
(17) Pois a lei foi dada por Moisés, a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.
(18) Ninguém jamais viu Deus. O Filho único, que está no seio do Pai, foi quem o revelou.
(19) Este foi o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar-lhe: Quem és tu?
(20) Ele fez esta declaração que confirmou sem hesitar: Eu não sou o Cristo.
(21) Pois, então, quem és?, perguntaram-lhe eles. És tu Elias? Disse ele: Não o sou. És tu o profeta? Ele respondeu: Não.
(22) Perguntaram-lhe de novo: Dize-nos, afinal, quem és, para que possamos dar uma resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo?
(23) Ele respondeu: Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como o disse o profeta Isaías (40,3).
(24) Alguns dos emissários eram fariseus.
(25) Continuaram a perguntar-lhe: Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?
(26) João respondeu: Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis.
(27) Esse é quem vem depois de mim, e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado.
(28) Este diálogo se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando.
(188) Homilia do Padre Paulo Ricardo:PLAYER AQUI
Presbíteros: Ver Roteiro Homilético

Catequese Bíblico-Missionária

A Realidade

Uma tentação que atinge todo agente de pastoral, toda pessoa que tem alguma atuação ou função na Igreja, é a de se colocar no lugar de Cristo. Achar que somos nós o caminho da salvação, que ninguém e nada deixe de passar por nós; que nós, somente nós, temos de aparecer, de brilhar, de fazer sucesso. É preciso cuidado para que a nossa imagem não acabe ofuscando a de Cristo ou tomando seu lugar, até fisicamente, numa sala, numa casa e até mesmo numa igreja.

A Palavra

João Batista marcou tanto, que, sessenta anos após sua morte, ainda havia quem pensasse ser ele, e não Jesus, o Messias enviado por Deus. Mas, segundo o Evangelho de João, ele não assumiu o papel que lhe atribuíam, não caiu na tentação, disse com toda a clareza não ser ele.

Segundo antiga lei bíblica que aparece no capítulo 25 do Deuteronômio e no livro de Rute, o cunhado da viúva sem filhos deve-se casar com ela. Se ele se recusar, precisa desatar as correias de suas sandálias, para que outro ocupe o seu lugar, venha a pisar onde ele pisava. João jamais quis ocupar o lugar de Jesus, não achou que poderia ser ele o noivo ou esposo.

No capítulo 3 (w 28-29) do mesmo Evangelho, João confirma o que diz aqui e completa: "Quem recebe a noiva é o noivo, mas o amigo do noivo, que está presente e o escuta, enche-se de alegria quando escuta a voz do noivo. Essa é a minha alegria e ela ficou completa. É necessário que ele cresça e eu diminua".

A alegria do Natal é a da boa notícia para os pobres e sofredores deste mundo, como afirma a Primeira Leitura. O ano do agrado do Senhor é o do jubileu, quando os endividados eram perdoados, os escravizados eram libertos eas terras eram redivididas.

O Mistério

A cobiça do poder e do primeiro lugar está na raiz de todos os males da humanidade. E essa cobiça está profundamente enraizada no ser humano. O Salvador deve vencer a cobiça.

Na Eucaristia, celebramos o momento em que Ele se entrega à mais humilhante das mortes para servir, para lavar os pés da humanidade. A partilha de si, significada no pão partido e no vinho por todos consumido, é o ponto de partida para um mundo salvo, para uma nova humanidade. E na mesa comum celebramos a chegada.

Pe. José Luiz Gonzaga do Prado, Diocese de Guaxupé-MG