||  Início  ->  Deixar Tudo e Seguir Jesus

Deixar Tudo e Seguir Jesus (22/01/2012)

Primeira Leitura:
PROFETAS MENORES: Livro de Jonas (Jn), capítulo 3
(1) A palavra do Senhor foi dirigida pela segunda vez a Jonas nestes termos: (2) Vai a Nínive, a grande cidade, e faze-lhe conhecer a mensagem que te ordenei. (3) Jonas pôs-se a caminho e foi a Nínive, segundo a ordem do Senhor. Nínive era, diante de Deus, uma grande cidade: eram precisos três dias para percorrê-la. (4) Jonas foi pela cidade durante todo um dia, pregando: Daqui a quarenta dias Nínive será destruída. (5) Os ninivitas creram (nessa mensagem) de Deus, e proclamaram um jejum, vestindo-se de sacos desde o maior até o menor. (6) A notícia chegou ao conhecimento do rei de Nínive, ele levantou-se do seu trono, tirou o manto, cobriu-se de saco e sentou-se sobre a cinza. (7) Em seguida, foi publicado pela cidade, por ordem do rei e dos príncipes, este decreto: Fica proibido aos homens e aos animais, tanto do gado maior como do menor, comer o que quer que seja, assim como pastar ou beber. (8) Homens e animais se cobrirão de sacos. Todos clamem a Deus, em alta voz, deixe cada um o seu mau caminho e converta-se da violência que há em suas mãos. (9) Quem sabe, Deus se arrependerá, acalmará o ardor de sua cólera e deixará de nos perder! (10) Diante de uma tal atitude, vendo como renunciavam aos seus maus caminhos, Deus arrependeu-se do mal que resolvera fazer-lhes, e não o executou.
Segunda Leitura:
EPÍSTOLAS DE SÃO PAULO: Primeira Epístola aos Coríntios (1Cor), capítulo 7
(29) Mas eis o que vos digo, irmãos: o tempo é breve. O que importa é que os que têm mulher vivam como se a não tivessem, (30) os que choram, como se não chorassem, os que se alegram, como se não se alegrassem, os que compram, como se não possuíssem, (31) os que usam deste mundo, como se dele não usassem. Porque a figura deste mundo passa.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São Marcos (Mc), capítulo 1
(14) Depois que João foi preso, Jesus dirigiu-se para a Galiléia. Pregava o Evangelho de Deus, e dizia:
(15) Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo, fazei penitência e crede no Evangelho.
(16) Passando ao longo do mar da Galiléia, viu Simão e André, seu irmão, que lançavam as redes ao mar, pois eram pescadores.
(17) Jesus disse-lhes: 'Vinde após mim, eu vos farei pescadores de homens.'
(18) Eles, no mesmo instante, deixaram as redes e seguiram-no.
(19) Uns poucos passos mais adiante, viu Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que estavam numa barca, consertando as redes. E chamou-os logo.
(20) Eles deixaram na barca seu pai Zebedeu com os empregados e o seguiram.
(1091) Homilia do Padre Paulo Ricardo:PLAYER AQUI
Presbíteros: Ver Roteiro Homilético

Padre Paulo Ricardo

Deixando tudo e seguir Jesus

Na passagem deste domingo, por duas vezes o evangelista nos recorda que os discípulos “deixaram” algo para seguir Jesus (Mc 1,18-20 ). Mas infelizmente este mesmo verbo (φέντες)  retornará quando São Marcos nos recordar que “todos deixaram Jesus e fugiram” (Mc 14,50).

Seguir a Jesus e abraçar como estilo de vida a luta contra a idolatria. Somente assim o Reinado de Deus acontecerá em nosso coração.

O evangelho deste 3o domingo do tempo comum é Mc 1,14-20.
Esta é a versão de S. Marcos sobre o 'seguir Jesus, a vocação'.

Ele inicia com uma notícia historiográfica: o Batista foi preso e Jesus começa a pregar o evangelho de Deus. E qual é o conteúdo dessa 'boa notícia'?
Cumpriu-se o tempo (do AT), é agora que o reino de Deus tornou-se próximo, pois Jesus é o próprio Reino de Deus. Deus se faz presente por meio de Jesus.
E para que Deus reine em nossos corações é preciso que abandonemos os ídolos e o sigamos.
É necessária a conversão. É necessário crer em Jesus e crer na boa nova. Crer que é possível sim viver sem ídolos, sem apegos a este mundo.
O que é necessário fazer para viver a obra de Deus? Jesus resppnde: crer naquele que Deus enviou.

Jesus convida os primeiros discípulos, dois pares de irmãos, para segui-Lo. E estes, deixaram imediatamente o que faziam para seguir Jesus.
O importante: dizer sim a Jesus é dizer não a muita coisa.
Precisamos nos dar conta disso, pois não se pode dizer sim a Jesus sem dizer não às coisas deste mundo.

A Igreja desde cedo entendeu essa mensagem e os religiosos fazem três votos: pobreza, obediência e castidade.
Todo cristão precisa viver esse combate contra a idolatria, contra tudo que afasta-nos de Deus, toma seu lugar, e nos impede de seguir Jesus Cristo.

Simão e André deixaram as redes (apego à vida material).
Tiago e João deixaram seu pai (apegos pessoais).

O oposto ocorreu quando Jesus foi crucificado. Quase todos fugiram e O deixaram, abandonaram. Só João, apegado à Maria, não abandonou Jesus na hora do lobo.
Peçamos a Deus fidelidade e que Maria Santíssima forme o Cristo em nós.
A fidelidade dos apóstolos, santos, dos mártires, dos bem-aventurados, de não fugir diante do lobo, diante dos sofrimentos, até mesmo diante do silêncio quando nos sentimos abandonados por Deus.
Precisamos CRER, pois Deus está próximo, Ele veio.
Mesmo que sejamos tentados a pronunciar como Jesus: "Meu Deus meu Deus por que me abandonaste?" como no salmo.
Ele se fez próximo até mesmo dos abandonados, nós, pois Ele veio viver nossa solidão na cruz, morrer e ressucitar.


Catequese Bíblico-Missionária

Vocação é conversão para o Reino!

Neste domingo, os relatos bíblicos fazem uma associação entre a vocação e a conversão, principalmente se compararmos a leitura do livro de Jonas com o relato do chamado dos primeiros discípulos. Desta forma, a Liturgia nos ajuda a ampliar nossa visão em relação à conversão.

A Comunidade Ontem

Enviado aos ninivitas, Jonas anuncia a iminente catástrofe que se abateria sobre eles, em função de seus pecados. A lógica de Jonas pauta-se pelo binômio pecado-castigo. Todavia, o relato deixa transparecer que o anúncio de Jonas serviu de alerta aos ninivitas. Fazendo um balanço de suas ações, eles empreendem um processo de mudança interior e prática, que expressam através dos gestos religiosos (jejum, vestes etc). Noutro sentido, eles mudam o foco de suas ações, assumindo o toem como norma de vida, que materializam em "obras de conversão", suspendendo a maldição e atraindo sobre si a bênção.

O chamado aos primeiros discípulos coincide com o anúncio da vida do Reino e, por conseguinte, com o convite à conversão. Diferente de Jonas, Jesus não manifesta nenhuma condenação, mas apresenta o Reino como dádiva a ser acolhida.

"Farei de vós pescadores de homens". Tradicionalmente, entende-se essa expressão como um convite de Jesus para que aqueles homens fossem anunciar o Reino. No entanto, o texto parece dar relevância ao que eles faziam.
Por isso, o convite de Jesus leva-os a uma ressignificação de suas vidas, universalizando o sentido de seus trabalhos. Trabalha-se não só para si e pela obtenção imediata do sustento sem se importar com os outros.

"Tornar-se pescador de homens" e "abandonar tudo' adquirem assim novo significado. Isto é, nossas obras não podem permanecer focadas somente em nossos interesses imediatos. Elas devem ser realizadas numa perspectiva universal, pesando suas consequências positivas para a humanidade.

Nenhuma ação humana é isenta de consequência. A fé faz-nos enxergar além do imediato, colocando-nos no horizonte de Deus, que é radicalmente livre e, por isso, é sempre dom total à humanidade. Ser discípulo de Jesus assume, assim, a conotação de conversão. Nem sempre significa abandono real das coisas, mas principalmente agir com a consciência de que em nosso trabalho somos corresponsáveis na concretização da justiça, da fraternidade e da solidariedade.

A Comunidade Hoje

Essa é a compreensão de Paulo. O tempo de viver o Reino de Deus e a unidade que ele requer é agora. Estar preso somente em nosso horizonte, levadnos à indiferença em relação aos irmãos(ãs), Se a figura desse mundo passa, porque não somos absolutos, voltar nosso olhar para Deus e viver nosso compromisso vocacional comprometem-nos com a vida e a certeza da presença do Reino de Deus em nossa história.

Pe. Marcelo C. Araújo, C.Ss.R.