||  Início  ->  A Autoridade de Jesus Cristo

A Autoridade de Jesus Cristo (29/01/2012)

Primeira Leitura:
PENTATEUCO: Livro do Deuteronômio (Dt), capítulo 18
(15) O Senhor, teu Deus, te suscitará dentre os teus irmãos um profeta como eu: é a ele que devereis ouvir. (16) Foi o que tu mesmo pediste ao Senhor, teu Deus, em Horeb, quando lhe disseste no dia da assembléia: Oh! Não ouça eu mais a voz do Senhor, meu Deus, nem torne a ver mais esse fogo ardente, para que eu não morra! (17) E o Senhor disse-me: está muito bem o que disseram, (18) eu lhes suscitarei um profeta como tu dentre seus irmãos: pôr-lhe-ei minhas palavras na boca, e ele lhes fará conhecer as minhas. ordens. (19) Mas ao que recusar ouvir o que ele disser de minha parte, pedir-lhe-ei contas disso. (20) o profeta que tiver a audácia de proferir em meu nome uma palavra que eu lhe não mandei dizer, ou que se atrever a falar em nome de outros deuses, será morto.
Segunda Leitura:
EPÍSTOLAS DE SÃO PAULO: Primeira Epístola aos Coríntios (1Cor), capítulo 7
(32) Quisera ver-vos livres de toda preocupação. O solteiro cuida das coisas que são do Senhor, de como agradar ao Senhor. (33) O casado preocupa-se com as coisas do mundo, procurando agradar à sua esposa. (34) A mesma diferença existe com a mulher solteira ou a virgem. Aquela que não é casada cuida das coisas do Senhor, para ser santa no corpo e no espírito, mas a casada cuida das coisas do mundo, procurando agradar ao marido. (35) Digo isto para vosso proveito, não para vos estender um laço, mas para vos ensinar o que melhor convém, o que vos poderá unir ao Senhor sem partilha.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São Marcos (Mc), capítulo 1
(21) Dirigiram-se para Cafarnaum. E já no dia de sábado, Jesus entrou na sinagoga e pôs-se a ensinar.
(22) Maravilhavam-se da sua doutrina, porque os ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas.
(23) Ora, na sinagoga deles achava-se um homem possesso de um espírito imundo, que gritou:
(24) Que tens tu conosco, Jesus de Nazaré? Vieste perder-nos? Sei quem és: o Santo de Deus!
(25) Mas Jesus intimou-o, dizendo: Cala-te, sai deste homem!'
(26) O espírito imundo agitou-o violentamente e, dando um grande grito, saiu.
(27) Ficaram todos tão admirados, que perguntavam uns aos outros: 'Que é isto? Eis um ensinamento novo, e feito com autoridade, além disso, ele manda até nos espíritos imundos e lhe obedecem!'
(28) A sua fama divulgou-se logo por todos os arredores da Galiléia.
(305) Homilia do Padre Paulo Ricardo:PLAYER AQUI
Presbíteros: ... Ver Roteiro Homilético

Padre Paulo Ricardo

Cala-te e sai!

A Palavra de Deus é operativa. Ela não somente explica e indica; ela faz. É assim que Jesus, Palavra que se fez carne, vem a este mundo para retomar a obra da criação. Ele rompe o silêncio no dia de sábado e liberta o homem da mentira, da palavra esquizofrênica de Satanás.

Marcos, 1,21-28 é o evangelho deste domingo. Este ano é o ano de São Marcos.

Uma característica de S. Marcos é conseguir dizer muito com poucas palavras.

Na primeira leitura, Moisés fala ao povo e profetiza: o Senhor fará surgir um profeta como eu...
Moisés teve uma característica diferente entre os profetas: ele viu Deus de perto de alguma forma e testemunha o que viu. Jesus é a realização dessa profecia. Moisés falava do Messias.
Na narrativa do evangelho Jesus se apresenta como alguém que tem uma palavra diferente, com autoridade.

Jesus faz da casa de Pedro, em Cafarnaum, sua base de operações.
Diz Marcos: "todos ficam admirados com seu ensinamento, pois ensinava com autoridade". Os doutores da lei explicavam a lei. Jesus faz e realiza. A palavra de Jesus tem poder, autoridade e uma autoridade recebida (de Deus). Ele é a própria palavra de Deus (como salienta o início do evangelho de São João), a realização da profecia de Moisés.

S. João ainda firma que tudo foi feito por meio da palavra de Deus, ou seja, ela faz e realiza imediatamente, dá realidade às coisas.
Quando Jesus olha para o endemoniado e diz ao demônio 'cala-te e sai', a palavra de Jesus realiza a libertação e a salvação.
Deus mandou seu flho, sua palavra feito carne, para nos dar a salvação. Aqui está toda a essência da vida de Jesus.

No Gênesis, há uma palavra de mentira, vinda de Satanás, para tirar Adão de Eva do caminho da obediência, ficando a vida dos seres humanos acorrentada à palavra da mentira desde então. Para isso era necessária a palavra da Verdade que nos liberta.
Assim, somos salvos e libertos por uma palavra eficaz e divina.
O demônio nos seduz com palavras de promessa de felicidade falsa. Ela não realiza, só destrói.

Até o demônio admite que Jesus é o santo de Deus: 'o que queres conosco?' Mas não adere a essa verdade, levando à morte e destruição.
Jesus dá uma ordem: 'cala-te e sai!'. Jesus fala a alguém, com autoridade, e cala o mentiroso.
Como Deus na criação, o próprio pronunciar da palavra realiza. Uma palavra que não somente diz, mas faz.

É importante notar como é importante lutar contra essa palavra de mentira.
Nós precisamos lutar constantemente contra três coisas: demônio (o pai da mentira), mundo (o mundo de mentiras criado pelos nossos pecados) e carne (o lado do ser humano afetado pelo pecado).
Quem vence a batalha contra a carne? As virgens e os castos.
Quem vence essa batalha contra o mundo? Os mártires.
E a batalha contra o demônio quem vence? O doutor da Igreja com uma palavra capaz de desmascarar a mentira demoníaca.
A luta contra o demônio é a mais importante, porque suas mentiras são o meio pelo qual somos enganados fazendo-nos perder todas as demais batalhas.

Há quem diga que é capaz de conviver com todas as idéias... impossível, outra mentira. Há idéias que são mentiras e inaceitáveis se quisermos seguir Jesus.

A obra libertadora de Jesus é nos livrar das mentiras de Satanás, contra a carne, contra o mundo e contra as mentiras de Satanás e suas palavras sedutoras.
Deixemos que Jesus cale a mentira e abramos nosso coração para a palvra eficaz de Jesus que nos reconstrói e nos liberta.


Catequese Bíblico-Missionária

O inventor do Evangelho

Antes de se escreverem os Evangelhos atuais, havia muitos escritos soltos e sem uma ordem, uma costura dos acontecimentos e das palavras de Jesus. Eram apenas gravações por escrito, das coisas que os Apóstolos e outros que tinham convivido com ele contavam. Marcos foi o primeiro a escrever essas "Memórias dos Apóstolos" em ordem, indo de João Batista até a Ressurreição. Deu-lhe o nome de Evangelho. Foi o primeiro.

A Comunidade Apostólica

A comunidade de Marcos sabia que era uma boa notícia o fato de Jesus, aquele pobre galileu crucificado, ser a esperança da humanidade. Uma boa. notícia que eles deviam levar para todo o mundo. Na época, os revoltosos judeus estavam tentando tirar o poder da mão dos romanos. Era uma loucura, o início de uma grande desgraça.

Jesus era o começo da boa notícia. E ela deveria chegar ao mundo inteiro. Por isso, Marcos deu ao seu escrito o título de Evangelho, que quer dizer "boa notícia". Mas o escrito era só um começo, a continuação era por conta da comunidade. Por isso, ele diz assim: "Início da boa notícia de Jesus o Messias, filho de Deus".

As comunidades de hoje

Será que ainda hoje a história da vida de Jesus chamada Evangelho é apenas o começo da boa notícia? Como dar continuidade? Será boa notícia esperar a salvação da humanidade de um condenado à pior das mortes? Pode-se acreditar que uma pessoa condenada tem a ver com Deus? Será que Deus vai se ligar tanto assim com um condenado? Vai colocar nele a esperança da salvação para todos?

A Boa Notícia ainda não acabou de chegar. Mal começa a se espalhar. Ainda se acredita pouco no valor do pequeno e das pequenas coisas. Precisamos mostrar que é diferente. Ainda tentam fazer de Jesus um rei potente, para esconder que ele foi um condenado. Precisamos dar a boa notícia de que Deus levanta aquele que o mundo condena. Precisamos mostrar o lado escondido. Ainda querem que a gente esqueça os condenados do nosso mundo para aplaudir os corruptos e os arrogantes. Precisamos mostrar que os condenados à fome e à miséria estão clamando que tudo está errado. A Boa notícia de que Deus está do lado deles ainda está só no começo e precisa ir em frente.

Pe. José Luiz Gonzaga do Prado, Diocese de Guaxupé-MG