||  Início  ->  A Transfiguração de Jesus

A Transfiguração de Jesus (03/03/2012)

Primeira Leitura:
PENTATEUCO: Livro do Gênesis (Gn), capítulo 22
(1) Depois disso, Deus provou Abraão, e disse-lhe: “Abraão!” “Eis-me aqui”, respondeu ele. (2) Deus disse: “Toma teu filho, teu único filho a quem tanto amas, Isaac, e vai à terra de Moriá, onde tu o oferecerás em holocausto sobre um dos montes que eu te indicar.” (3) No dia seguinte, pela manhã, Abraão selou o seu jumento. Tomou consigo dois servos e Isaac, seu filho, e, tendo cortado a lenha para o holocausto, partiu para o lugar que Deus lhe tinha indicado. (4) Ao terceiro dia, levantando os olhos, viu o lugar de longe. (5) “Ficai aqui com o jumento, disse ele aos seus servos, eu e o menino vamos até lá mais adiante para adorar, e depois voltaremos a vós.” (6) Abraão tomou a lenha do holocausto e a pôs aos ombros de seu filho Isaac, levando ele mesmo nas mãos o fogo e a faca. E, enquanto os dois iam caminhando juntos, (7) Isaac disse ao seu pai: “Meu pai!” “Que há, meu filho?” Isaac continuou: “Temos aqui o fogo e a lenha, mas onde está a ovelha para o holocausto?” (8) “Deus, respondeu-lhe Abraão, providenciará ele mesmo uma ovelha para o holocausto, meu filho.” E ambos, juntos, continuaram o seu caminho. (9) Quando chegaram ao lugar indicado por Deus, Abraão edificou um altar, colocou nele a lenha, e amarrou Isaac, seu filho, e o pôs sobre o altar em cima da lenha. (10) Depois, estendendo a mão, tomou a faca para imolar o seu filho. (11) O anjo do Senhor, porém, gritou-lhe do céu: “Abraão! Abraão!” “Eis-me aqui!” (12) “Não estendas a tua mão contra o menino, e não lhe faças nada. Agora eu sei que temes a Deus, pois não me recusaste teu próprio filho, teu filho único.” (13) Abraão, levantando os olhos, viu atrás dele um cordeiro preso pelos chifres entre os espinhos, e, tomando-o, ofereceu-o em holocausto em lugar de seu filho. (14) Abraão chamou a este lugar Javé-yiré, de onde se diz até o dia de hoje: “Sobre o monte de Javé-Yiré.” (15) Pela segunda vez chamou o anjo do Senhor a Abraão, do céu, (16) e disse-lhe: “Juro por mim mesmo, diz o Senhor: pois que fizeste isto, e não me recusaste teu filho, teu filho único, eu te abençoarei. (17) Multiplicarei a tua posteridade como as estrelas do céu, e como a areia na praia do mar. Ela possuirá a porta dos teus inimigos, (18) e todas as nações da terra desejarão ser benditas como ela, porque obedeceste à minha voz.”
Segunda Leitura:
EPÍSTOLAS DE SÃO PAULO: Epístola de São Paulo aos Romanos (Rm), capítulo 8
(31) Que diremos depois disso? Se Deus é por nós, quem será contra nós? (32) Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas que por todos nós o entregou, como não nos dará também com ele todas as coisas? (33) Quem poderia acusar os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. (34) Quem os condenará? Cristo Jesus, que morreu, ou melhor, que ressuscitou, que está à mão direita de Deus, é quem intercede por nós!
EVANGELHOS: Evangelho segundo São Marcos (Mc), capítulo 9
(2) Seis dias depois, Jesus tomou consigo a Pedro, Tiago e João, e conduziu-os a sós a um alto monte.
(3) E transfigurou-se diante deles. Suas vestes tornaram-se resplandecentes e de uma brancura tal, que nenhum lavadeiro sobre a terra as pode fazer assim tão brancas.
(4) Apareceram-lhes Elias e Moisés, e falavam com Jesus.
(5) Pedro tomou a palavra: Mestre, é bom para nós estarmos aqui, faremos três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias.
(6) Com efeito, não sabia o que falava, porque estavam sobremaneira atemorizados.
(7) Formou-se então uma nuvem que os encobriu com a sua sombra, e da nuvem veio uma voz: Este é o meu Filho muito amado, ouvi-o.
(8) E olhando eles logo em derredor, já não viram ninguém, senão só a Jesus com eles.
(9) Ao descerem do monte, proibiu-lhes Jesus que contassem a quem quer que fosse o que tinham visto, até que o Filho do homem houvesse ressurgido dos mortos.
(10) E guardaram esta recomendação consigo, perguntando entre si o que significaria: Ser ressuscitado dentre os mortos.
(312) Homilia do Padre Paulo Ricardo:PLAYER AQUI
Presbíteros: Ver Roteiro Homilético
Ver Comentário Exegético

Padre Paulo Ricardo

Quaresma e Transfiguração, Mc 9,2-10

Transfigurar nossa Quaresma, segundo domingo da Quaresma.

A luz da Transfiguração nos é dada como um novo alento em nossa caminhada quaresmal. Em nossa vida devemos evitar os dois extremos: 1) a fuga de quem procura um paraíso místico ou uma utopia paradisíaca nesta terra e 2) o desânimo de quem se deixa esmagar pela cruz. Marcada pela fé no mistério pascal, nossa luta contra o Malígno está arraigada na certeza de que, marcados pela Cruz, lutaremos até nos último dia sobre esta terra. Ao mesmo tempo, podemos receber, desde já, alguma força e consolação da luz transfigurada que vem do Cristo ressuscitado.

"Jesus sobe ao monte e ali Jesus sobe ao monte e ... este é meu Filho amado, escutai-O"

Por que a Igreja num período de penitência nos chama a refletir sobre a glória de Nosso Senhor?
É que a finalidade da penitência, da morte, da cruz não está em si mesma, mas na ressurreição de Jesus.
Cristão é aquele que realmente crê na ressurreição de Jesus. E ele sabe que a morte na cruz não é a última palavra. Atrás de cada cruz Deus tem uma ressurreição escondida para cada um de nós.
Se não crêssemos na ressurreição, por que nos empenhar em sermos melhores e transformar este mundo?
"Com a ressurreição de Jesus, Deus nos deu uma esperança viva", uma esperança real e verdadeira, diz S. Pedro.

Isto entendido, notemos que não existe uma transformação em Jesus, pois "transfiguração" significa uma manifestação do que Jesus era e é. Uma glória que estava nele mesmo, mas de forma escondida. Jesus não muda sua natureza, mas a forma de se apresentar.
Marcos fala de Pedro, João e Tiago de forma especial. Eles acompanham Jesus nos momentos mais dramáticos.
Jesus sobe à montanha com esses três discípulos para confirmar-lhes a fé, preparando-lhes o coração para o que viria, quando Jesus será desfigurado.

Deus-Pai apresenta Jesus como a palavra de Deus que nos ilumina - "este é meu Filho amado, escutai o que Ele diz".
A lei e os profetas são simbolizados por Elias e Moisés.

As roupas de Jesus estão brancas, translúcidas, porque a palavra de Deus é assim, luminosa, clara, translúcida.

A vida não é uma experiência mística, ela é uma dura realidade. É necessário descer do monte Tabor. É inútil fazer ali tres tendas.
Deus nos dá "tabores" para nos preparar para o Calvário. Deus nos dá também consolações.
Não podemos nos iludir com três tendas neste mundo agradável.
Mas também não podemos pensar que tudo seja mau e sem solução.

Na primeira leitura vemos uma outra montanha, em que Abraão sobe com Isaque, onde irá enfrentar uma grande batalha para obedecer a Deus.

Vivemos provações e sacrifícios como os de Abraão, mas não podemos deixar que o inimigo nos distraia do sentido de nossa luta. Deixemo-nos iluminar por essa palavra e desçamos do Tabor, dispostos a levar a cruz.
Vamos renovar nossa vontade de nos entregarmos a Deus.

Quando as pessoas vêem ao confessionário e dizem "eu já estou soofrendo muito", eu digo "façam penitência".
A penitência e o pequeno sacrifício voluntário nos ajudarão a carregar a grande cruz involuntária e somente assim saberemos transformar nossa miséria em ressurreição.


A Transfiguração - Santo Antônio de Lisboa

1. Jesus tomou consigo a Pedro, Tiago e João e levou-os a um monte muito alto etc.1
Falou o Senhor a Moisés, dizendo no Êxodo2: Sobe para mim ao monte e permanece aí; e eu te darei duas tábuas: a lei e os mandamentos, que eu escrevi, para os ensinares aos filhos de Israel. Moisés interpreta-se aquático3, e significa o pregador que rega os espíritos dos fiéis com a água da doutrina que salta para a vida eterna4. A este diz o Senhor: Sobe para mim ao monte. O monte, por causa da sua altitude, significa a excelência da vida santa5, em que o pregador, deixado o vale dos bens temporais, deve subir pela escada do amor divino, e aí encontrará o Senhor, pois que o Senhor se encontra na excelência da vida santa. Daí a afirmação no Gênesis6: No monte o Senhor providenciará, isto é, na excelência da vida santa fará ver e entender quanto deve a Deus e ao próximo.
Dar-te-ei, diz, duas tábuas. As duas tábuas designam a ciência de cada um dos Testamentos, a única capaz de saber e de fazer sábios; só esta ciência ensina a amar a Deus, a desprezar o mundo, a sujeitar a carne. O pregador deve ensinar estas coisas aos filhos de Israel, dos quais depende toda a lei e os profetas7. Mas onde se encontra esta tão preciosa ciência? De verdade, no monte: Sobe para mim ao monte e deixa-te estar ali, porque aí há a mudança da dextra do Excelso8, a transfiguração do Senhor, a contemplação do verdadeiro gozo. Por isso, do mesmo monte se diz no Evangelho de hoje: Tomou Jesus consigo a Pedro, Tiago e João, etc.

2. Neste Evangelho observam-se cinco coisas muito notáveis: a subida de Jesus ao monte com os três Apóstolos, a sua transfiguração, o aparecimento a Moisés e a Elias, a nuvem resplandecente que os envolveu, e o testemunho da voz do Pai: Este é o meu Filho caríssimo. Vejamos o que significam, no sentido moral, estas cinco coisas, conforme Deus for servido nos inspirar, para sua honra e utilidade de nossas almas.

I – A subida de Jesus Cristo ao monte com três Apóstolos

3. Digamos, portanto: Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João. Estes três Apóstolos e especiais companheiros de Jesus Cristo significam as três virtudes da alma sem as quais ninguém pode subir ao monte da luz, isto é, à excelência da vida santa. Pedro interpreta-se o que reconhece, Tiago o que suplanta, João a graça do Senhor9. Tomou, portanto, Jesus consigo a Pedro etc. Toma também tu, que crês em Jesus e de Jesus esperas a salvação, a Pedro, isto é, o reconhecimento do teu pecado, que consiste em três coisas: na soberba do coração, na lascívia da carne, na avareza do mundo. Toma também contigo Tiago, isto é, a suplantação destes vícios, a fim de esmagares debaixo da planta da razão a soberba do teu espírito, e mortificares a lascívia da tua carne, reprimindo a vaidade do mundo enganador. Toma ainda contigo João, isto é, a graça do Senhor, que está à porta e bate10, para que te ilumine, faça reconhecer o mal que fizeste e te conserve no bem que começaste.

Estes são aqueles três homens, dos quais disse Samuel a Saul no primeiro livro dos Reis11: Ao chegares ao carvalho de Tabor, encontrar-te-ão aí três varões, que vão adorar a Deus em Betel, levando um três cabritos e outro três tortas de pão e outro um barril de vinho. O carvalho e o monte Tabor significam a excelência da vida santa, que bem se diz carvalho e monte Tabor: carvalho, porque é constante e inflexível pela perseverança final; monte, porque alta e sublime pela contemplação de Deus; Tabor, que se interpreta luz que vem12, pelo brilho do bom exemplo. Na excelência da vida santa requerem-se estes três predicados: constante em relação a si, contemplativo em relação a Deus, brilhante em relação ao próximo. Ao chegares, portanto, isto é, quando te dispuseres a vir ou subir ao carvalho ou monte Tabor,encontrar-te-ão aí três varões, que vão adorar a Deus em Betel. Estes três varões são Pedro, o que reconhece, Tiago, o que suplanta, e João, a graça do Senhor. Pedro leva três cabritos, Tiago três tortas de pão, João um barril de vinho.
Pedro, isto é, o que se reconhece pecador, leva três cabritos. No cabrito simboliza-se o fedor do pecado; nos três cabritos os três gêneros de pecados em que mais pecamos, a saber, na soberba do coração, na petulância da carne, na avareza do mundo. Quem, portanto, quiser subir ao monte da luz, deve levar estes três cabritos; isto é, reconhecer-se pecador nestas três coisas.
Tiago, isto é, o que suplanta os vícios da carne, leva três tortas de pão. O pão significa a suavidade do entendimento, que consiste na humildade do coração, na castidade do corpo, no amor da pobreza; ninguém poderá possuir esta suavidade se antes não suplantar os vícios. Portanto, leva três tortas de pão, isto é, a tríplice suavidade do entendimento, quem reprime a soberba do coração, refreia a petulância da carne e rejeita a avareza do mundo.
João, isto é, o que conserva fielmente e de ânimo perseverante tudo isto, com a graça proveniente e subsequente do Senhor, verdadeiramente leva um barril de vinho. O vinho no barril é a graça do Espírito Santo na boa vontade.
Tomou, portanto, Jesus consigo Pedro, Tiago e João. Toma também tu estes três varões e sobe ao monte Tabor.

4. Mas, crede-me, a subida é difícil, porque o monte é alto. Queres, portanto, subir mais facilmente? Toma aquela escada de que se lê e canta na história do presente domingo: Viu Jacob em sonhos uma escada direita, posta sobre a terra, cujo cimo tocava o céu e os anjos de Deus subindo e descendo por ela, e o Senhor apoiado na escada13. Observa cada uma das palavras e aparecerá a concordância do Evangelho. Viu: eis o reconhecimento do pecado, de que diz S. Bernardo: Deus não me dê a ver outra visão que não seja o conhecimento dos meus pecados. Jacob tem a mesma interpretação de Tiago: eis a suplantação da carne. Dele disse Esaú: Eis que me suplantou outra vez14. Em sonhos: eis a graça do Senhor, que traz consigo o sono da quietude e da paz. O sono assim é descrito pelo Filósofo15: O sono é o repouso das virtudes animais com intensificação das naturais. Quando alguém dorme no sono da graça, nele as paixões carnais repousam das suas más obras e intensificam-se as faculdades espirituais; daí o dizer-se no Gênesis16: Depois de se ter posto o sol, veio um sono profundo a Abraão, e um horror grande o acometeu. Por sol entende-se aqui o prazer carnal17, que, ao sucumbir, um sono profundo, isto é, o êxtase da contemplação, vem sobre nós; e um horror grande nos invade a respeito dos pecados passados e das penas do inferno. Queres ouvir a intensificação das faculdades espirituais juntamente com o perdão das paixões carnais? Eu, diz a Esposa, durmo, isto é, repouso do amor dos bens temporais, e o coração vigia18 na contemplação das celestes. Com razão, portanto, se diz: Viu Jacob em sonhos uma escada, pela qual podes subir ao monte Tabor.

5. Nota que esta escada tem dois banzos e seus degraus, pelos quais se pode subir. Esta escada significa Jesus Cristo19; os dois banzos são a natureza divina e humana; os seis degraus são a sua humildade e pobreza, a sabedoria e misericórdia, a paciência e obediência. Foi humilde ao tomar a nossa natureza, quando olhou para a humildade da sua serva20. Pobre no seu nascimento, em que a Virgem pobrezinha, quando deu à luz o próprio Filho de Deus, não teve onde o reclinar, tendo de o envolver em panos e pôr em manjedoura de animais21. Foi sábio na sua pregação, porque começou a obrar e ensinar22. Foi misericordioso ao receber afavelmente os pecadores: Não vim, diz,chamar os justos mas os pecadores23 à penitência. Foi paciente no meio dos flagelos, bofetadas e escarros: por isso, ele mesmo diz em Isaías24: Ofereci a minha face como uma pedra duríssima. Se se bate numa pedra, não se vinga nem murmura contra quem a quebra. Assim Cristo, quando o amaldiçoaram, não amaldiçoava; sofrendo, não ameaçava25. Foi ainda obediente até à morte e morte de cruz26. Esta escada apoiava-se sobre a terra, quando Cristo se entregava à pregação e operava milagres; tocava o céu, quando pernoitava, como refere S. Lucas27, na oração do Senhor.
Eis que a escada é direita; porque, pois, não subis? Porque rastejais de mãos e pés sobre a terra? Subi, porque Jacob viu anjos a subir e a descer pela escada. Subi, portanto, ó anjos, ó prelados da Igreja, ó fiéis de Jesus Cristo; subi, digo, a contemplar quão suave é o Senhor28; descei a socorrer, a aconselhar, porque disto precisa o próximo. Porque tentais subir por caminho diferente do da escada? Por onde quer que quiserdes subir, depara-se-vos um precipício. Ó estultos e tardos de coração, não digo para crer29, porque credes, e os demônios também crêem30, mas duros e de pedra para agir! Pensais poder subir por outro caminho ao monte Tabor, ao repouso da luz, à glória da felicidade celeste, sem ser pela escada da humildade, da pobreza, da Paixão do Senhor? Na verdade, não. A palavra do Senhor é clara: Quem quiser vir após de mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me31. E em Jeremias32: Tu me chamarás pai, e não cessarás de andar após de mim. Como refere S. Agostinho33, o médico bebe primeiro a poção amarga, para que o doente não tenha medo de a beber. Por meio duma poção amarga, diz S. Gregório34, se chega ao gozo de saúde. Para salvar a vida, tens de parecer o ferro e o fogo35. Subi, portanto, não temais, porque o Senhor está apoiado à escada, preparado para receber os que sobem. Tomou, portanto, Jesus consigo Pedro, Tiago e João e subiu a um alto monte.

II – A transfiguração de Jesus Cristo.

6. Segue o segundo: E transfigurou-se diante deles36. Imprimi-te, como cera mole, nesta figura, a fim de que possas receber a figura de Jesus Cristo, que foi assim: E o seu rosto ficou refulgente como o sol e as suas vestiduras tornaram-se brancas como a neve37. Nesta sentença verificam-se quatro coisas: o rosto e o sol, as vestiduras e a neve. Vejamos o eu significam no sentido moral o rosto e o sol, as vestiduras e a neve.
Nota que na parte anterior da cabeça, chamada rosto do homem, há três sentidos ordenados por via e disposição sapientíssima: a vista, o olfato e o gosto. O olfato, na verdade, está colocado, semelhante a uma balança, entre a vista e o gosto38. Igualmente no rosto da nossa alma há três sentidos espirituais, dispostos em reta ordem pela sabedoria do sumo artífice: a vista da fé, o olfato da discrição, o gosto da contemplação.

7. Acerca da vista lê-se no Êxodo39 que Moisés e Aarão, Nadab e Abiu e setenta anciãos de Israel viram o Senhor de Israel; e debaixo de seus pés estava como que uma obra de pedra de safira, que se parecia com o céu quando está sereno. Nesta sentença descrevem-se todos aqueles que veem e o que devem ver, isto é, crer, com a visão da fé. Moisés e Aarão, etc. Moisés interpreta-se aquático e significa todos os religiosos, que devem ser mergulhados nas águas das lágrimas. De fato, foram tirados do rio do Egito, com o fim de semearem, em lágrimas, nesta solidão horrível, e depois, em júbilo, ceifarem na terra da promissão. E o sumo pontífice Aarão, que se interpreta montanhês40, significa todos os prelados maiores da Igreja, constituídos no monte da dignidade. Nadab, que se interpreta espontâneo41, todos os súditos, que devem obedecer espontaneamente, não à força. Abiu, que se interpreta pai deles42, significa todos aqueles que, segundo o rito da Igreja, se uniram pelo matrimônio para serem pais de filhos. Os setenta anciãos de Israel significam todos os batizados que no batismo receberam o espírito da graça septiforme43.
Todos estes veem, isto é, creem, e devem ver, isto é, crer no Deus de Israel. E debaixo de seus pés estava como que uma obra de pedra de safira, etc. Quando diz Senhor de Israel: eis a divindade; ao dizer debaixo de seus pés: eis a humanidade de Jesus Cristo, que devemos crer como verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Destes pés diz Moisés no Deuteronômio44: Os que se aproximam de seus pés receberão da sua doutrina. Por isso, diz-se em S. Lucas45 que Maria estava sentada aos pés do Senhor e escutava a sua palavra. Portanto, debaixo dos pés do Senhor, isto é, depois da Encarnação de Jesus Cristo apareceu a obra do Senhor, como que de pedra de safira, que se parecia com o céu quando está sereno. A pedra de safira e o céu sereno são da mesma cor.
E nota que a safira tem quatro propriedades: ostenta em si uma estrela, dá cabo do antraz, é semelhante ao céu sereno, estanca o sangue. A pedra de safira significa a santa Igreja, começada depois da Encarnação de Cristo e que há de durar até ao fim dos séculos. Esta divide-se em quatro ordens, a saber, apóstolos, mártires, confessores e virgens, que acertadamente entendemos nas quatro propriedades da pedra de safira.
A safira ostenta em si uma estrela, e nisto significa os apóstolos, que primeiro mostraram a estrela matutina da fé aos que jaziam nas trevas e na sombra da morte46. a safira, com o seu contato, dá cabo do antraz, que é doença mortal47; nisto significa os mártires, que destruíram com o seu martírio o antraz da idolatria. A safira, semelhante à cor celeste, significa os confessores, que, reputando todas as coisas temporais como esterco, se suspenderam na corda do amor divino para contemplar a celeste beatitude, dizendo com o Apóstolo48: Somos cidadãos dos céus.Igualmente a safira estanca o sangue, e nisto significa as virgens, que por amor do celeste Esposo estancaram em si por completo o sangue da concupiscência carnal. Esta é a admirável obra da pedra de safira, que apareceu debaixo dos pés do Senhor. Eis claramente o que a tua alma deve ver e o que deve crer com a visão da fé.

8. Do olfato da discrição escreve-se no Cântico49 do amor: O teu nariz é como a torre do Líbano, que olha para Damasco. Nesta sentença há quatro palavras muito dignas de nota; o nariz, a torre, o Líbano e Damasco. No nariz designa-se a discrição, na torre a humildade, no Líbano, que se interpreta alvura50, a castidade, em Damasco, que se interpreta o que bebe sangue51, a malícia do diabo52. Portanto, o nariz da alma é a virtude da discrição, através da qual, como se fora nariz, deve discernir o bom do mau cheiro, o vício da virtude, e pressentir ainda as coisas postas ao longe, isto é, as futuras tentações do diabo53. Por isso, diz Job54: Cheira de longe a batalha, a exortação dos capitães e a gritaria do exército. De fato, a alma fiel pressente pelo nariz, isto é, pela virtude da discrição, a batalha da carne e a exortação dos capitães, isto é, as sugestões da razão vã, que são compreendidas por meio dos capitães, para não cair no fosso do mal, sob pretexto de santidade; e a gritaria do exército, isto é, as tentações do demônio, que gritam como bestas, porque gritar é próprio de bestas.

Este nariz da esposa deve ser como a torre do Líbano, pois, na humildade de coração e castidade de corpo consiste sobretudo a virtude da discrição. E bem se diz humildade a torre da castidade, porque assim como a torre defende o castelo, assim a humildade do coração defende a castidade do corpo das setas da fornicação. Se tal for o nariz da esposa, bem poderá olhar para Damasco, isto é, para o diabo, desejoso de beber o sangue das nossas almas, descobrindo a malícia da sua sutileza.

9. Acerca do gozo da contemplação diz o Profeta55: Experimentai e vede quão suave é o Senhor. Experimentai, isto é, esmagai com a garganta do vosso espírito e, esmagando, repensai na felicidade daquela Jerusalém celeste, na glorificação das almas santas, na glória inefável da dignidade angélica, na doçura perene da Trindade e Unidade; repensai também quanta será a glória de estar entre os coros dos anjos, louvar a Deus juntamente com eles com voz indefessa, contemplar face a face o rosto de Deus, ver o maná divino na urna de ouro da humanidade! Se saboreardes bem estas coisas, verdadeiramente, sim, vereis quão suave é o Senhor. Feliz aquela alma cujo rosto se adorna e se decora com tais sentimentos.
E nota que o olfato, qual balança, está colocado entre a vista da fé e o gosto da contemplação. Na fé, com efeito, a discrição é necessária, para que não pretendamos aproximar-nos e ver a sarça ardente56, desatar a correia do calçado57, isto é, desvendar o segredo a Encarnação do Senhor58. Crê apenas, e basta. Não está em teu poder desatar a correia do calçado. O que quer sondar a majestade, diz Salomão59, será oprimido pela sua glória. Portanto, acreditemos firmemente e confessemos com simplicidade.

Na contemplação também é necessária a discrição, para que não saibamos mais da sabedoria, de sabor celeste, do que importa saber60. Donde Salomão nas Parábolas61: Filho, achaste mel, isto é, a doçura da contemplação62, come o que te basta, para que não suceda que depois de farto o vomites. Vomita o mel quem, não contenta com a graça que lhe foi dada gratuitamente, deseja indagar com a razão humana a doçura da contemplação, não atendendo àquilo que se diz no Gênesis63 que ao nascer Benjamim morreu Raquel. Por Benjamim designa-se a graça da contemplação, por Raquel a razão humana. Ao nascer, portanto, Benjamim, morre Raquel, porque, quando o entendimento, elevado acima de si mesmo na contemplação, divisa alguma coisa acerca da luz da divindade, toda a razão humana sucumbe. A morte de Raquel é a falta de razão. Por isso, disse alguém64: Ninguém chega pela razão humana aonde S. Paulo foi arrebatado
Seja, portanto, o olfato da discrição como balança entre a vista da fé e o gosto da contemplação, para que o rosto da nossa alma resplandeça como o sol.

10. E nota que no sol há três propriedades: claridade, alvura e calor; e vê quão bem elas convêm aos três sobreditos sentidos da alma. A claridade do sol convém à vista da fé, que divisa e crê as coisas invisíveis pela claridade da sua luz. Alvura, isto é, a mundícia ou pureza, convém ao olfato da discrição; e com acerto, porque assim como fechamos e viramos o nariz dum objeto mal cheiroso, assim nos devemos afastar da imundícia do pecado com a virtude da discrição. Também o calor do sol convém ao gosto da contemplação, na qual verdadeiramente há o calor da caridade. Escreve S. Bernardo65: É, de fato, impossível ver o sumo bem e não o amar, pois que o próprio Deus é caridade.

Atendei, portanto, caríssimos, e vede quão útil, quão salutar é tomar três companheiros e subir ao monte da luz, porque aí há verdadeira transfiguração da figura deste mundo, que passa66, na figura de Deus, que permanece por séculos de séculos. Dela se diz: O seu rosto resplandeceu como o sol. Resplandeça também o rosto da nossa alma como o sol, a fim de que transforme em obras o que vemos pela fé; e o bem que discernimos no interior, o executamos fora, na pureza da obra, com a virtude da discrição; e o que saboreamos na contemplação de Deus, se torne vida no amor do próximo; e desta maneira o nosso rosto resplandecerá como o sol.

11. Segue: E as suas vestiduras tornaram-se alvas como a neve67, quais um tintureiro não seria capaz neste mundo de o fazer68. As vestiduras da nossa alma são os membros do nosso corpo69, que devem ser cândidos. Daí Salomão70: As tuas vestiduras sejam cândidas em todo o tempo. Mas de qual candura? Como a neve. Por boca de Isaías71 promete o Senhor aos pecadores convertidos: Se os vossos pecados forem como o escarlate, tornar-se-ão alvos como a neve.Nota aqui duas palavras: Escarlate e neve. Escarlate é um pano que possui a cor do fogo e do sangue72. A neve é fria e alva. O fogo designa o ardor do pecado; o sangue, a imundícia do mesmo; a frigidez da neve, a graça do Espírito Santo; a alvura, a pureza do entendimento73. Diz, portanto, o Senhor: Se os vossos pecados forem como o escarlate, etc. Como se dissesse: Se vos converterdes a mim, eu infundir-vos-ei a graça do Espírito Santo, que não só extinguirá o ardor do pecado, como também lavará a sua imundícia. Por isso, ele mesmo diz por Ezequiel74: Derramarei sobre vós água limpa, e sereis limpos de todas as vossas iniquidades. As vestiduras, portanto, isto é, os membros do nosso corpo, sejam alvas como a neve, para que frigidez da neve, isto é, a compunção do espírito, extinga o ardor do pecado, e a alvura duma vida santa lave a imundícia do pecado.
Por outras palavras, as vestiduras da nossa alma são as virtudes75. Vestida com elas, apareça gloriosa na presença do Senhor. Destes vestidos se diz na história do presente domingo que Rebeca vestiu Jacob de vestidos muito bons, que tinha consigo76. Rebeca, isto é, a sabedoria de Deus Pai, vestiu Jacob, isto é, o justo, com os vestidos, isto é, com as virtudes boas, porque feitas com a mão e o artifício da sua sabedoria, as quais ele tem consigo guardadas no tesouro da sua glória. Tem-nas verdadeiramente, porque é o Senhor, dono de tudo; tem-nas verdadeiramente, porque as distribui a quem quer, quando quer e como quer. Estas vestiduras são cândidas, de fato, dado que fazem cândido o homem, não digo como a neve, mas branqueiam-no acima da neve. O tintureiro, isto é, o pregador, na calandra da sua pregação, não pode fazer assim tais vestiduras neste mundo.

III – A aparição a Moisés e a Elias.

12. Segue o terceiro: E Moisés e Elias apareceram a falar com ele77. Moisés e Elias aparecem ao justo assim transfigurado,assim iluminado, assim vestido. Por Moisés, que era o mais manso de todos os homens que habitavam sobre a terra78, cuja vista, como se diz no Deuteronômio79, não diminuiu, nem os dentes se lhe abalaram, entende-se a mansidão da paciência e da misericórdia. Manso quer dizer acostumado à mão80. Ele, na verdade, como filho, como animal manso, acostumou-se à mão da divina graça, cuja vista, isto é, a razão, não diminui com a fuligem do ódio nem se ofusca com a nuvem do rancor; os seus dentes não se abalam contra alguém pela murmuração. Nem mordem pela detração.
Por Elias, que, segundo se lê no terceiro livro dos Reis81, matou os profetas de Baal na torrente de Cisão, entende-se o zelo da justiça. Baal interpreta-se superior ou devorador82; Cisão, a dureza deles83. Portanto, o que ferve verdadeiramente com o zelo da justiça, mata com a espada da pregação, da ameaça e da excomunhão os profetas e os escravos da soberba, – a qual se dirige sempre a coisas superiores – da gula e da luxúria, que tudo devoram, a fim de que, mortos ao vício, vivam para Deus84. E pratica isto na torrente de Cisão, isto é, na abundância do seu coração duro. Por isso, entesouram ira para o dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus85.
Dela diz Deus a Ezequiel86: Aqueles a quem te envio são filhos de cerviz dura e de coração indomável. De fato, toda a casa de Israel é de cara desavergonhada e de dura cerviz. Possui cara desavergonhada quem, ao ser corrigido, não só despreza a correção, mas não se envergonha do pecado. a este impropera Jeremias87: O descaramento duma mulher meretriz apoderou-se de ti; não quiseste ter vergonha. Moisés, portanto, e Elias, isto é, a mansidão da misericórdia e o zelo da justiça, devem aparecer justos com o justo, já transfigurado no monte da vida santa, a fim de que, à semelhança do Samaritano, derramem vinho e azeite nos cobertos de chagas. O acre do vinho exacerba a brandura do azeite, e abrandura do azeite suaviza o acre do vinho88.
Daí o dizer-se em S. Mateus, do anjo que apareceu na ressurreição de Cristo, que o seu aspecto era como o raio e as suas vestiduras como a neve89. o raio designa a severidade do juízo; o candor da neve, a brandura da mansidão90. O anjo, isto é, o prelado, deve ter o aspecto do raio, para que as mulheres, isto é, os espíritos efeminados, temam o seu olhar ao considerarem a sua vida santa. Desta maneira procedeu Ester, de quem se diz no livro91 da mesma:Tendo o rei Assuero levantado o rosto e manifestado em seus olhos cintilantes o furor do peito, a rainha desmaiou, e, trocando-se a sua cor em palidez, deixou cair a cabeça vacilante sobre a criada. Mas o prelado, tal como procedeu Assuero, deve apresentar o báculo de ouro da benignidade92 e revestir-se das vestiduras de neve, para, com piedosa benignidade de mãe, consolar os que corrigiu com austeridade de pai93. Donde o dito: Tem azorragues de pai e peitos de mãe.
O prelado deve ser como o pelicano, o qual, segundo se conta, mata os seus filhos, mas depois extrai o sangue do próprio corpo e o derrama sobre os filhos mortos e desta forma os faz reviver94. Assim o prelado deve chamar os seus filhos, isto é, os seus súditos, os quais corrige com o flagelo da disciplina e mata com a espada da áspera reprimenda. Deve chamá-los, repito, à penitência, que é vida da alma, com o seu sangue, ou seja, com espírito compungido e com derramamento de lágrimas, sangue da alma, no dizer de S. Agostinho95.

IV – O testemunho da voz do Pai: Este é o meu Filho muito amado.

13. E se estas três coisas, a subida ao monte, a transfiguração e o aparecimento a Elias e Moisés, precederam em ti, conseguirás a quarta, de que se acrescenta: eis que uma nuvem resplandecente os envolveu96. Lê-se coisa semelhante no fim do Êxodo97, onde se diz: Depois de acabadas todas estas coisas, uma nuvem cobriu o tabernáculo do testemunho e a glória do Senhor o encheu.
Nota que no tabernáculo do testemunho havia quatro objetos: o candelabro com sete lâmpadas, a mesa da proposição, a arca do testamento e o altar de ouro98. O tabernáculo do testemunho é o justo. É tabernáculo, porque a sua vida é um combate sobre a terra 99. os soldados em armas costumam desde a sua tenda100 combater os inimigos e por estes ser combatidos. Também o justo, colocado na linha de batalha, enquanto combate é combatido; daí o dizer-se: O inimigo qye bem combate torna-te bom combatente 101. O justo é o tabernáculo do testemunho. Tem bom testemunho, não só dos de fora102, nem sempre verdadeiro, mas também de si mesmo. A sua glória é o testemunho da própria consciência 103, não de língua alheia.
Neste tabernáculo do testemunho há o candelabro de ouro batido, com sete lâmpadas; é o áureo coração compungido do justo, batido por múltiplos suspiros, como se foram martelos. As sete lâmpadas deste candelabro são os três cabritos, as três tortas de pão e o barril de vinho, que os sobretidos três companheiros do justo levam. Há ainda no tabernáculo do justo a mesa da proposição, pela qual se entende a excelência da vida santa. Sobre ela devem pôr-se os pães da proposição, isto é, o alimento da palavra divina, que a todos se deve propor. Donde o Apóstolo: Sou devedor de Gregos e Bárbaros104. Há também ali a arca do testamento, em que se guardava o maná e a vara. Na arca, isto é, no espírito dp justo, deve existir o maná da mansidão, para que seja Moisés, e a vara da correção, para que seja Elias. Há também aí um altar de ouro, pela qual se entende o firme propósito da perseverança final. Neste altar, todos os dias se oferece o incenso da compunção devota e os perfumes da oração odorífera.

14. Com razão, portanto, se diz: Depois de acabadas todas estas coisas, uma nuvem cobriu o tabernáculo do testemunho. Tal tabernáculo, em que são acabadas todas as coisas atinentes à perfeição, uma nuvem o cobre e a glória do Senhor o enche. Desta se escreve no Evangelho de hoje: E uma nuvem resplandecente os envolveu. A graça do Senhor, de fato, envolve o justo transfigurado no monte da luz, isto é, da vida santa, protegendo-o do ardor da prosperidade mundana, da chuva da concupiscência carnal, da tempestade da perseguição do demônio; e desta forma merecerá ouvir o cicio de tênue aura105, a doçura de Deus Pai: Este é o meu Filho caríssimo; ouvi-o106. Verdadeiramente é digno de se chamar Filho de Deus quem tomou consigo os três sobreditos companheiros, subiu ao monte, a si mesmo se transfigurou de figura do mundo em figura de Deus, teve por companheiros Moisés e Elias e mereceu ser envolvido por nuvem resplandecente.
Rogamos-te, portanto, Senhor Jesus, que nos faças subir deste vale de miséria ao monte duma vida santa, a fim de que impressos na figura da tua Paixão, fundados na mansidão da misericórdia e no zelo da justiça, mereçamos no dia do juízo ser envolvidos por nuvem transparente e ouvir a voz de gozo, alegria e exultação: Vinde, benditos de meu Pai,que vos abençoou no monte Tabor, recebei o reino que vos foi preparado desde o princípio do mundo107. A este reino Ele mesmo se digne conduzir-nos. A Ele pertence a honra e glória, louvor e império, majestade e eternidade pelos séculos dos séculos. Diga todo espírito: Assim seja.
__________
1.Cf. Mt 17, 1.
2.Cf. Ex 24, 12.
3.Cf Ex 2, 10.
4.Jo 4, 14.
5.Cf. Glo. Ord., Ex 24, 15.
6.Gen 22, 14.
7.Cf. Mt 22, 40.
8.Sl 76, 11.
9.Glo. Int., Atos 1, 13.
10.Cf. Ap 3, 20.
11.1Reis 10, 3 (Vg. muda).
12.Glo. Ord. e Int., Sl 88, 13.
13.Gen 28, 12-13 (Vg. Viditque in somnis...).
14.Gen 27, 36 (Vg. muda, ajunta).
15.ARIST., De somno et vigilia, 3, e também em Ethicorum, c. 1.
16.Gen 15, 12 (Vg. ajunta, muda).
17.Cf. GREG., Moralium IX, 45, 84, PL 85, 904.
18.Cant 5, 2.
19.Glo. Ord. e Int., Gen 28, 12.
20.Lc 1, 18.
21.Cf. Lc 2, 7.
22.Atos 1, 1 (Vg. coepit Iesus...).
23.Mt 9, 13 (Vg. Non enim...).
24.Is 50, 7.
25.1Pd 2, 23.
26.Fil 2, 8.
27.Cf. Lc 6, 12.
28.Cf. Sl 33, 9.
29.Cf. Lc 24, 25.
30.Cf. Tg 2, 19.
31.Mt 16, 24 (Vg. Si quis...).
32.Jer 3, 19.
33.AGOST., Enarratio in Os. 92, 3, PL 37, 1259.
34.Cf. GREG., Moralium XXXI, 33, 70, PL 76, 612.
35.OVÍDIO, Remedia amoris, 229; cf. H. WALTHER, Lateiniche Sprichwörter, n. 32348.
36.Mt 17, 2.
37.Mt 17, 2.
38.Cf. ARIST., De part. an., 11, 10, 657a, 8-11.
39.Ex 24, 9-10 (Vg. muda, ajunta).
40.Glo. Int., Ex 4, 28.
41.JERON., De nom. hebr., PL 23, 833.
42.Glo. Ord., Mt 1, 12.
43.Cf. Glo. Int., Ex 24, 8.
44.Deut 33, 3.
45.Cf. Lc 10, 39.
46.Lc 1, 79.
47.Cf.ESCRIBÔNIO LARGO, Compositiones medicae, 25;chamam escaras às crostas dos olhos e antrazes aos carbúnculos.
48.Fil 3, 20 (Vg. Nostra autem...); cf. Glo. Ord. e Int., Is 54, 11.
49.Cant 7, 4.
50.Glo. Ord., Cant 4, 8.
51.Glo. Int., Cant 7, 4.
52.Glo. Ord., ibidem.
53.Cf. Glo. Ord. e Int., ibidem.
54.Job 39, 25.
55.Sl 33, 9.
56.Cf. Ex 3, 3.
57.Cf. Lc 3, 16.
58.Glo. Ord., ibidem.
59.Prov 25, 27 (Vg. Qui scrutator est...).
60.Cf. Rom 12, 3.
61.Prov 25, 16 (Vg. Mel invenisti; comede quod sufficit tibo...).
62.Cf. Glo. Int., ibidem.
63.Cf. Gen 35, 17-19.
64.Cf. RICARDO DE SÃO VITOR, Beniamim minor, 73-74, PL 196, 52-53.
65.Não é de São Bernardo, nem de Guido Cartusiano, como chegou a afirmar-se e vem nos Editores, mas é de GUILHERME DE ST. THIERRY, Epistola ad fratres de Monte Dei, II, 3, 18. Cf. Actas 1981, p. 178, n. 30.
66.Cf. 1Cor 7, 31.
67.Mt 17, 2.
68.Mt 9, 2 (Vg... super terra candida facere).
69.Cf. Glo. Int., Ecle 9, 8; Glo. Ord., Job 9, 31.
70.Ecle 9, 8.
71.Is 1, 18.
72.Cf. ISID., Etym. XIX, 22, 10, PL 82. 685.
73.Cf. JERÓN., Commentarium in Job, 9, 37, PL 26, 678-783.
74.Ez 36, 25.
75.Cf. Glo. Int., Sl 44, 10.
76.Cf. Gen 27, 15.
77.Mt 17, 3.
78.Cf. Num 12, 3.
79.Deut 34, 7 (Vg. non caligavit oculus...).
80.Cf. ISID., Etym. X, 169, PL 82, 385.
81.Cf. 3Reis 18, 30.
82.Glo. Int., Jz 6, 25.
83.Glo. Ord., Sl 82, 10.
84.Cf. Gal 2, 19.
85.Cf. Rom 2, 5.
86.Ez 2, 4; 3, 7 (Vg. Filli dura facie... et duro corde).
87.Jer 3, 3 (Vg. ajunta).
88.Cf. GREG., Moralium XX, 6, 14, PL 76, 143; Lc 10, 34.
89.Cf. Mt 28, 3.
90.Cf. Glo. Ord., ibidem.
91.Ester 15, 10 (Vg. muda).
92.Cf. Ester 15, 15.
93.Cf. GREG., Regula pastoralis, II, 6, PL 77, 38.
94.Cf. Glo. Ord., Sl 101, 7; ISID., Etym. XII, 7, 26, PL 82, 162. Ambas as citações são colhidas de ST. AGOSTINHO, In Ps 101, sermo , 8, PL 37, 1 1299.
95.Cf. AGOST., Epistola 262, 11, PL 33, 1081; cf. Sermo 351, 4-7, PL 39, 1542.
96.Mt 17, 5.
97.Ex 40, 31-32 (Vg. Postquam omnia perfecta sunt operuit nubes...).
98.Ex 25, 31-37.
99.Job 7, 1 (Vg. militia est vita hominis...).
100.Em português não há seqüência de pensamento, como em latim, por tabernaculum ter de e traduzir no segundo lugar por tenda.
101.OVÍDIO, Pont. 11, 3, 53.
102.Cf. 1Tim 3, 7.
103.Cf. 2Cor 1, 12.
104.Rom 1, 14.
105.Cf. 3Reis 19, 12.
106.Mt 17, 5 (Vg. muda, ajunta).
107.Cf. Mt 25, 34.