||  Início  ->  Domingo de Pentecostes

Domingo de Pentecostes (27-05-2012)

Primeira Leitura:
ATOS: Atos dos Apóstolos (At), capítulo 2
(1) Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. (2) De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. (3) Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. (4) Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. (5) Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu. (6) Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua. (7) Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: Não são, porventura, galileus todos estes que falam? (8) Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? (9) Partos, medos, elamitas, os que habitam a Macedônia, a Judéia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, (10) a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene, peregrinos romanos, (11) judeus ou prosélitos, cretenses e árabes, ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus!
Segunda Leitura:
EPÍSTOLAS DE SÃO PAULO: Primeira Epístola aos Coríntios (1Cor), capítulo 12
(3) Por isso, eu vos declaro: ninguém, falando sob a ação divina, pode dizer: Jesus seja maldito e ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, senão sob a ação do Espírito Santo. (4) Há diversidade de dons, mas um só Espírito. (5) Os ministérios são diversos, mas um só é o Senhor. (6) Há também diversas operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. (7) A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito comum. (8) A um é dada pelo Espírito uma palavra de sabedoria, a outro, uma palavra de ciência, por esse mesmo Espírito, (9) a outro, a fé, pelo mesmo Espírito, a outro, a graça de curar as doenças, no mesmo Espírito, (10) a outro, o dom de milagres, a outro, a profecia, a outro, o discernimento dos espíritos, a outro, a variedade de línguas, a outro, por fim, a interpretação das línguas. (11) Mas um e o mesmo Espírito distribui todos estes dons, repartindo a cada um como lhe apraz. (12) Porque, como o corpo é um todo tendo muitos membros, e todos os membros do corpo, embora muitos, formam um só corpo, assim também é Cristo. (13) Em um só Espírito fomos batizados todos nós, para formar um só corpo, judeus ou gregos, escravos ou livres, e todos fomos impregnados do mesmo Espírito.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São João (Jo), capítulo 20
(19) Na tarde do mesmo dia, que era o primeiro da semana, os discípulos tinham fechado as portas do lugar onde se achavam, por medo dos judeus. Jesus veio e pôs-se no meio deles. Disse-lhes ele: A paz esteja convosco!
(20) Dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se ao ver o Senhor.
(21) Disse-lhes outra vez: A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós.
(22) Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo.
(23) Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados, àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São João (Jo), capítulo 15
(26) Quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim.
(27) Também vós dareis testemunho, porque estais comigo desde o princípio
EVANGELHOS: Evangelho segundo São João (Jo), capítulo 16
(12) Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora.
(13) Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão.
(14) Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará.
(15) Tudo o que o Pai possui é meu. Por isso, disse: Há de receber do que é meu, e vo-lo anunciará.
Ungido e Unção
Homilia do Padre Paulo Ricardo :
PLAYER AQUI
Pentecostes: Nasce a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica
Homilia do Padre José Ruy:
PLAYER AQUI
Presbíteros: Ver Roteiro Homilético
Ver Comentário Exegético
Ver Homilia de Dom Henrique Soares
Canção Nova: Homilia

Domingo de Pentecostes - O Ungido e a Unção

De forma estranha algumas pessoas pensam que é possível receber Jesus sem receber o Espírito Santo. Mas se alguém realmente recebe o Ungido (Christós), recebe necessariamente a sua Unção (Chrísma).

São Basílio Magno nos recorda:
Pois em primeiro lugar [o Espírito Santo] uniu-se a própria carne do Senhor, tornando-se a unção e inseparavelmente presente.

Primo enim adfuit ipsi carni Domini, dum factus est unctio, et inseparabiliter coniunctus (De Spiritu Sancto, c. 16, n. 39; PG 32, 139-140C).

Jesus e o Espírito Santo são inseparáveis. A consequência para nossa vida espiritual é enorme. Se vivemos a nossa Páscoa, se suportamos a Cruz de Cristo, recebemos também o Espírito, a força que vem do alto, que nos ajuda a carregá-la.

É este o grande segredo dos Santos. Vemos sua vida sofrida e nos assustamos. Mas é que nos esquecemos do doce hóspede da alma que consola e acalma. É o Espírito Santo quem torna o fardo leve e o jugo suave.

Padre Paulo Ricardo


Pentecostes: Nasce a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica

Hoje a Igreja celebra o sagrado Pentecostes. E poderíamos dizer que terminamos hoje uma festa que começamos no domingo da Páscoa, esses cinquenta dias que ficamos esperando que se cumprisse a promessa de Jesus Cristo de que Ele nos enviaria o Espírito Santo, para a liturgia da Igreja é como se fosse uma única festa, uma única festa que dura cinquenta dias, mais ou menos isso, porque hoje se completa o que Jesus Cristo viveu depois da ressurreição.

O corpo de Jesus Cristo, pleno do Espírito Santo, ressuscitou. E hoje, a Igreja, que é o verdadeiro Corpo de Cristo que continua neste mundo a missão de Jesus, também deve ser um corpo pleno do Espírito Santo.
Hoje se realiza a promessa do Pai e notamos, ao entrar na Igreja, a cor do fogo. Já não estamos com o branco da Páscoa, colocamos o vermelho, e por que? O vermelho que costumamos usar sempre ao comemora os mártires, aqueles que deram o seu sangue por Jesus e, por isso, o vermelho, por que hoje, Pentecostes, usamos o vermelho e não o branco, como na festa da Santíssima Trindade em que a cor litúrgica é a branca? É porque o vermelho não é exatamente a cor do sangue, pois o sangue dos mártires não é a causa primordial da Igreja usar o vermelho na liturgia; a razão do vermelho é a caridade. Caridade, o amor. Jesus Cristo mesmo nos diz no evangelho que não há maior amor do que dar a vida por seus amigos.
Hoje, quando a Igreja celebra Pentecostes, usa vermelho porque o amor que vivemos, o amor que devemos ter em nossas vidas não é simplesmente um amor natural que nasce nos corações, pois esse não é o verdadeiro amor divino, o verdadeiro amor cristão é aquele que desce do céu, é o Espírito Santo.
Como diz S. Paulo, porque o amor de Deus foi derramado sobre nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Esse é o verdadeiro amor cristão, que é dom de Deus.

Em Pentecostes a Igreja celebra o seu nascimento, justamente porque recebeu de Deus esse dom.
Seria muito fácil e até mesmo prazeroso, se imaginássemos como a Igreja nasceu a partir de nossa própria cabeça. Poderíamos pensar que a Igreja nasceu porque os discípulos de Jesus, contagiados pela Sua mensagem, se reuniram num domingo e começaram a pregar o Evangelho. Só que não foi isso que aconteceu. Poderíamos pensar que a Igreja nasceu de muitíssimos modos, poderíamos escrever livros com teorias de como nasceu a Igreja. Só que a Igreja não nasceu da nossa cabeça, da nossa vontade, a Igreja nasceu do coração de Deus, e o ato que fez com que a Igreja explodisse neste mundo, pregando o Evangelho, anunciando e vivendo o amor de Deus derramado sobre os nossos corações, esse ato se chama Pentecostes.
A Igreja não é coisa da Terra, a Igreja é coisa do Céu. Por isso ela é o Corpo místico de Jesus Cristo, que não é coisa da Terra, mas do Céu. Por isso ela é plena do Espírito Santo, e todas as ações que fazemos, devem ser também como que inundadas pela força de Jesus, pois não estamos aqui para, simplesmente, fazer ações da Terra, estamos aqui para praticarmos o amor que recebemos do Céu.
Será que realmente entendemos isso?

Um dos grandes problemas de nossa sociedade é que acreditamos que a resposta de tudo está nas nossas capacidades, no que nós podemos fazer, na maneira como pensamos as coisas, nos planos que fazemos... planos pastorais maravilhosos, projetos de arquitetura fantásticos, só que na hora de colocar na prática, nunca é exatamente o que planejamos, porque quem age somos nós, mas quem faz é o Espírito Santo de Deus.

Na catequese aprendemos quais são as quatro propriedades da Igreja: una, santa, católica e apostólica.
Todas essas quatro propriedades nós encontramos na liturgia da palavra que vimos hoje.

A igreja poderia ser formada por grupos de comunidades que nasceram da pregação dos apóstolos e que depois se reuniram numa coisa que chamada “igreja”. Só que o movimento foi o contrário. Foi um grupo, uno, que perseverava em oração com Maria, mãe de Jesus, que recebeu o Espírito Santo e começou a falar em diversas línguas, de tal forma que cada um entendia a mensagem na sua língua materna, mostrando assim que a Igreja não nasceu da diversidade, mas nasceu da UNIDADE e, por isso, a Igreja é UNA.

A Igreja é SANTA porque não vem da Terra, não nasceu de uma cabeça brilhante, de um homem que andou por este mundo. Não. A Igreja vem de Deus e, por isso, ela é SANTA.

Aí poderemos nos perguntar.... mas padre, quando olhamos a Igreja, sempre encontramos algum errinho... somos mestres nisso, basta olhar para a Igreja e sempre vamos encontrar algo para falar, um errinho aqui, o padre lá faz isso, o bispo lá faz aquilo e não sei o quê... de fato, erros sempre encontraremos e como podemos dizer então que a Igreja é santa se ao olhar para a Igreja vemos pecadores?
A Igreja é santa não porque seus membros sejam santíssimos, mas é santa porque nela está Deus. E se nós somos pecadores, somos pecadores na mesma medida que traímos a santidade da Igreja. Se somos pecadores, o somos porque traímos o projeto de Deus.
Por isso, quando peco, não basta que eu vire pra Deus e confesse 'Meu Senhor, perdão de todos os meus pecados...', mas deve-se procurar um sacerdote que me perdoa em nome de Deus com a autoridade da Igreja.

A Igreja também é CATÓLICA, que significa universal. Hoje, há pretensas “igrejas” que querem ser universais, internacionais, mundiais... e tudo para imitar a Igreja que é católica. O Espírito Santo não foi derramado apenas dentro de uma sala, no céu não há subdivisões ou paredes, o Espírito Santo foi derramado sobre o mundo inteiro e a missão da Igreja é pregar o Evangelho para o mundo todo. Por isso ela é Católica.
Dizem os santos padres que em Pentecostes os discípulos falaram em todas as línguas porque o evangelho deve chegar até os confins da Terra.

A Igreja é também APOSTÓLICA, pois conforme o evangelho de hoje, O Espírito Santo desceu sobre os apóstolos para que, a partir desses doze, o evangelho fosse proclamado ao mundo inteiro.
Nós não temos uma fé baseada em nossas idéias, nós temos uma fé baseada na fé dos apóstolos.
O Apocalipse fala isso de uma maneira linda, quando diz que a cidade de Deus, a Jerusalém Celeste, terá doze alicerces, doze colunas, doze portas, simbolizando cada uma os doze apóstolos, porque ESSA é a IGREJA de Jesus, fundada sobre os alicerces dos apóstolos.

Tudo isso é muito bonito ... mas devemos nos perguntar: e nós? O que devemos fazer para que o Espírito Santo se manifeste em minha vida, na vida de meus irmãos, na Igreja, na Eucaristia, em todas as minhas palavras, em todos os meus pensamentos?
Se hoje estamos celebrando Pentecostes, o nascimento da Igreja, o que falta em nossas vidas para que aconteça um verdadeiro batismo no Espírito Santo? A Igreja nasceu sob Pentecostes e deve viver sob Pentecostes... o que falta para que esse Espírito Santo se manifeste se já recebemos o batismo?
Está faltando o amor dos filhos, que eu deixe. O grande problema de nosso dias é achar que podemos resolver tudo por nós mesmos, o que impede a ação do Espírito Santo e que Ele manifeste seus dons a carismas em nós. Para nós é difícil aceitar que recebemos de Deus essa graça, que não é algo nosso, que dependemos de Deus para tudo. Jesus Cristo mesmo disse: 'sem Mim, nada podeis fazer'.

Por fazer as coisas conforme nossas idéias, acabamos acumulando um pecado aqui, outro pecado ali, uma preguiça aqui, uma falta de generosidade ali... e tudo isso abafa a força do Espírito Santo que quer se manifestar em nós.
E como resolver isso?
Sejamos humildes, reconhecer que é o Espírito Santo que age em nós.
Humildes para nos ajoelhar diante de um sacerdote e pedir perdão pelos nossos pecados, reconhecendo que nossos pés precisam ser muitas vezes lavados por Jesus.

Também não devemos olhar o outro, mas devemos reconhecer que a verdadeira radicalidade do evangelho não se cobra, se vive.

O Espírito santo desceu sobre um grupo de discípulos perseverantes no cenáculo em oração e foram eles que levaram, com suas vidas, o Espírito Santo e o Evangelho ao mundo.

Como poderemos ser verdadeira Igreja nascida e viva no Espírito Santo, se só nos lembramos de Jesus ao entrar pela porta do templo da igreja? Se em nossas casas nem oração antes das refeições fazemos? Se em nossas casas não temos a coragem de mudar o canal da TV quando aparecem determinadas coisas? Como queremos ser dóceis ao Espírito Santo, se não somos humildes para reconhecer que determinadas coisas não posso dizer, que determinadas coisas não posso ver, que determinados lugares eu não posso entrar, por saber que ali eu vou estar colocando em risco o tesouro precioso que recebo sobre o altar, sobre a minha vida pelo dom do Espírito Santo?

Outro dia vi, por acaso, um pedacinho de uma novela atual... e fiquei muito preocupado, porque imagino o seguinte: eu não vejo, mas muitos que vão à Missa assistem, novelas que passam doutrinas espíritas descaradamente, novelas com cenas de sexo explícito, e mais, aplaudem ainda, pessoas que hoje estão com um, amanhã estão com outro, aplaudem os homens por serem "viris", aplaudem as mulheres por serem "espertas" fazendo isso...

Hoje, que é dia de Pentecostes, coloquemos diante de Deus a nossa consciência, e prestemos atenção no que entra em nossas casas, pois Deus pode estar derramando todo o fogo do seu Espírito Santo, mas nós podemos estar colocando um telhado de chumbo com tanta porcaria que entra em nossos lares pela TV da sala, no quarto de nossos filhos, até no quarto do casal. Peçamos a Deus a graça do discernimento ao pensarmos nisso.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

Padre José Ruy