||  Início  ->  O Nascimento de São João Batista

Solenidade do Nascimento de São João Batista (24-06-2012)

Primeira Leitura:
PROFETAS MAIORES: Livro de Isaías (Is), capítulo 49
(1) Ilhas, ouvi-me, povos de longe, prestai atenção! O Senhor chamou-me desde meu nascimento, ainda no seio de minha mãe, ele pronunciou meu nome. (2) Tornou minha boca semelhante a uma espada afiada, cobriu-me com a sombra de sua mão. Fez de mim uma flecha penetrante, guardou-me na sua aljava. (3) E disse-me: Tu és meu servo, (Israel), em quem me rejubilarei. (4) E eu dizia a mim mesmo: Foi em vão que padeci, foi em vão que gastei minhas forças. Todavia, meu direito estava nas mãos do Senhor, e no meu Deus estava depositada a minha recompensa. (5) E agora o Senhor fala, ele, que me formou desde meu nascimento para ser seu Servo, para trazer-lhe de volta Jacó e reunir-lhe Israel, (porque o Senhor fez-me esta honra, e meu Deus tornou-se minha força). (6) Disse-me: Não basta que sejas meu servo para restaurar as tribos de Jacó e reconduzir os fugitivos de Israel, vou fazer de ti a luz das nações, para propagar minha salvação até os confins do mundo.

Segunda Leitura:
ATOS: Atos dos Apóstolos (At), capítulo 13
(22) Depois, Deus o rejeitou e mandou-lhes Davi como rei, de quem deu este testemunho: Achei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará todas as minhas vontades. (23) De sua descendência, conforme a promessa, Deus fez sair para Israel o Salvador Jesus. (24) João tinha pregado, desde antes da sua vinda, o batismo do arrependimento a todo o povo de Israel. (25) Terminando a sua carreira, dizia: Eu não sou aquele que vós pensais, mas após mim virá aquele de quem não sou digno de desatar o calçado. (26) Irmãos, filhos de Abraão, e os que entre vós temem a Deus: a nós é que foi dirigida a mensagem de salvação.
EVANGELHOS: Evangelho segundo São Lucas (Lc), capítulo 1
(57) Completando-se para Isabel o tempo de dar à luz, teve um filho.
(58) Os seus vizinhos e parentes souberam que o Senhor lhe manifestara a sua misericórdia, e congratulavam-se com ela.
(59) No oitavo dia, foram circuncidar o menino e o queriam chamar pelo nome de seu pai, Zacarias.
(60) Mas sua mãe interveio: Não, disse ela, ele se chamará João.
(61) Replicaram-lhe: Não há ninguém na tua família que se chame por este nome.
(62) E perguntavam por acenos ao seu pai como queria que se chamasse.
(63) Ele, pedindo uma tabuinha, escreveu nela as palavras: João é o seu nome. Todos ficaram pasmados.
(64) E logo se lhe abriu a boca e soltou-se-lhe a língua e ele falou, bendizendo a Deus.
(65) O temor apoderou-se de todos os seus vizinhos, o fato divulgou-se por todas as montanhas da Judéia.
(66) Todos os que o ouviam conservavam-no no coração, dizendo: Que será este menino? Porque a mão do Senhor estava com ele.
(67) Zacarias, seu pai, ficou cheio do Espírito Santo e profetizou, nestes termos:
(68) Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e resgatou o seu povo,
(69) e suscitou-nos um poderoso Salvador, na casa de Davi, seu servo
(70) (como havia anunciado, desde os primeiros tempos, mediante os seus santos profetas),
(71) para nos livrar dos nossos inimigos e das mãos de todos os que nos odeiam.
(72) Assim exerce a sua misericórdia com nossos pais, e se recorda de sua santa aliança,
(73) segundo o juramento que fez a nosso pai Abraão: de nos conceder que, sem temor,
(74) libertados de mãos inimigas, possamos servi-lo
(75) em santidade e justiça, em sua presença, todos os dias da nossa vida.
(76) E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, porque precederás o Senhor e lhe prepararás o caminho,
(77) para dar ao seu povo conhecer a salvação, pelo perdão dos pecados.
(78) Graças à ternura e misericórdia de nosso Deus, que nos vai trazer do alto a visita do Sol nascente,
(79) que há de iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte e dirigir os nossos passos no caminho da paz.
(80) O menino foi crescendo e fortificava-se em espírito, e viveu nos desertos até o dia em que se apresentou diante de Israel.
Homilia do Padre Paulo Ricardo :PLAYER AQUI
Homilia do Padre José Ruy:PLAYER AQUI
Presbíteros: Ver Roteiro Homilético
Ver Comentário Exegético
Ver Homilia de Dom Henrique Soares
Ver Homilia do Pe. Françoá Costa
Canção Nova: Homilia

Seu nome será João!

João Batista é a voz que nasce de um pai mudo e a alegria que brota num ventre estéril. O seu próprio nome (יוֹחָנָן, Yôḥanan) é uma mensagem: é a mensagem de alegria que esta voz irá anunciar: “Deus dá a graça”.

Como João somos chamados a reconhecer: “o Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome” (Is 49, 1). Saber-nos amados desde toda eternidade é fonte de uma alegria que ultrapassa o mero bom humor. Com João Batista, mesmo nas lutas e no combate à idolatria, sabemos que a mão de Deus está conosco (cf. Lc 1, 66).

Padre Paulo Ricardo


Catequese Bíblico-Missionária

A figura de João, o Batista, é uma das mais misteriosas na Bíblia, pois não somos capazes de compô-la com os fragmentos que dela temos. Mesmo ele evitou uma clara definição com sua tríplice negativa: não era o Messias, nem Elias e, muito menos o profeta, era apenas uma "voz que clama no deserto" (Jo 1,19ss).
João tinha consciência de estar numa linha de fronteira: de um lado, era o maior dos nascidos de mulher e, por outro, o menor no reino dos céus é maior do que ele. Jesus afirma que ele era "mais que profeta" (Mt 11,9) e que poderia haver, na Antiga Aliança, maior que um profeta? Era o enviado para preparar o caminho e teve que construir, para si mesmo, uma imagem Daquele que era inconce-bivelmente maior do que ele para poder anunciá-lo: diante da água com que batizava. Ele batizaria com o Espírito Santo e com o fogo. Um fogo que não se apaga e no qual será queimado todo aquele que não estiver preparado (Mt 3,11).
João revela sua humildade ao se declarar Indigno de ajoelhar-se para desatar as correias de suas sandálias (Mc 1,7). O evangelista Lucas desvela a fronteira: "A lei e os profetas duraram até João. A partir daí anuncia-se a boa nova do Reino de Deus" (Lc 16,16).
Jesus santificou seu precursor no seio materno, preparando-o para sua vocação no exato momento do encontro amoroso de Maria e Isabel, agraciadas pelo Espírito do Senhor. "E a ti, menino, te chamarão profeta do Altíssimo, pois caminharás à frente do Senhor preparando-lhe o caminho; anunciando a seu povo a salvação pelo perdão dos pecados"(Lc 1,76). João, "a voz que clama no deserto", vai se converter naquele que sinaliza: "Eis o Cordeiro de Deus". João, sem nenhuma oposição, encaminha todos os seus discípulos ao seguimento de Jesus e se alegra ao ver que se aproxima mais gente de Jesus do que dele (Jo 3,26ss).
João testemunha sua lucidez ao afirmar: "Nisso consiste a minha alegria completa. Ele deve crescer, eu diminuir" (Jo 3,29-30). João ultrapassa a imagem daquele que se ajoelha por não ser digno e atinge seu verdadeiro estatuto: o de amigo do Noivo cuja alegria está em entregar-lhe a Noiva, prolongando sua própria condição de converter-se em "voz do noivo" e não mais em "voz do deserto". João, o Batista, não se situa em nenhum lugar. Basta-lhe ser puro passo e páscoa.

Pe. Paulo Botas, mts