TEOLOGIA (1449)'
     ||  Início  ->  
Artigo

Pregações: Teologia - Deus não é severo ao condenar o homem? - por Padre Paulo Ricardo

(áudio)

Deus não é excessivamente severo ao condenar o homem?
Não haveria desproporção entre a ofensa e a pena?
Pecados que não são necessariamente para ofender a Deus mas resposta a seus instintos merecem pena eterna?

Como é que pecamos?
Se eu peco, por um impulso instintivo sem liberdade alguma, então evidentemente isso não é pecado.
A realidade porém é que nós não somos animais meramente instintivos, irracionais, nós temos liberdade, e o segredo para compreender o inferno está na liberdade humana, pois somos tragicamente livres. Temos o poder de nos destruir com nossa liberdade. Aqui é que está o drama, a realidade do inferno.

Quem diz que não acredita no inferno por causa da bondade de Deus, na verdade tem uma noção equivocada da bondade de Deus. Por que?
O inferno não existe porque Deus é bom ou mal, mas porque o homem é livre.
Temos que nos lembrar que Deus não criou o inferno. Ele não foi criado, mas é uma invenção de Satanás, quando este rejeitou crer no amor de Deus fazendo Dele seu adversário ao dizer 'não creio no Teu amor'.

Quem acha que o inferno seria uma pena excessiva, não sabe o que é ter um coração endurecido. O coração duro de quem sabe qual é a verdade, mas a rejeita. Sabe o que é o amor, mas não o aceita.
Em nossa experiência do dia a dia podemos vislumbrar essa experiência do inferno. Tenho filhos espirituais que me rejeitaram completamente porque não foram capazes de baixar-se do seu orgulho, de acietar o próprio erro, ficando orgulhosamente fechados dizendo 'eu não aceito o pe. Paulo porque ele me condena!'. Eu não condeno você, eu condeno o que você está fazendo com sua vida, porque amo você só posso odiar o pecado e rejeitar sua atitude que lhe está destruindo.
Quando se encontram comigo ficam rígidos, uma rigidez física que reflete a rigidez do coração. Ficam fechados e parece que vão carregar para sempre esse coração duro, fechado. Estão sendo amados, mas interpretam o amor como sendo maldade.
Assim é Satanás com relação a Deus.

Um filho, amado pelo Pai, pode rejeitá-lo e com seu coração duro, por soberba, dizer 'não cedo, eu não errei, errado está você, com suas leis, com sua intolerância'...

As pessoas que se condenam eternamente são os que fecham o coração e não aceitam a Deus e sua misericórdia.
Para se aprofundar sobre a doutrina da Igreja, ver os parágrafos do catecismo 1033 a 1037.

Fonte: site Christo Nihil Praeponere

Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)