SANTOS DO BRASIL

Dom Fernando Arêas Rifan*

 

Visitei recentemente, em Baependi, MG, a Igreja onde se encontra o túmulo da Bem-aventurada Francisca Paula de Jesus Isabel, conhecida como Nhá Chica, a mãe dos pobres, a pérola escondida. Mulher simples, negra, filha de escrava, cheia de fé, devotíssima de Nossa Senhora, imersa na oração e que, apesar de analfabeta, dava sábios conselhos a todos que a procuravam e, não raramente, profetizava o futuro.

 

O Conselheiro João Pedreira do Couto Ferraz era uma figura das mais eminentes do Império pela sua cultura, virtudes e pelo caráter firme, do qual deu grande prova, pública e corajosa, durante o processo de Dom Vital de Oliveira, Bispo de Olinda. Como diz a História do Brasil, no célebre episódio da questão religiosa, uma das causas da queda da monarquia, Dom Frei Vital de Oliveira, foi levado ao Tribunal pelo crime de defender os direitos da Igreja. Ao entrar o Bispo no Tribunal, acompanhado de mais dois Bispos, o Conselheiro Pedreira que, por dever do seu cargo, estava a contragosto presente, vencendo o respeito humano, foi receber os Bispos e, ajoelhando-se, osculou o anel de Dom Vital, santo Bispo mártir. Houve aplausos e um frêmito de raiva entre os Ministros do Supremo Tribunal. Quando apontaram a Dom Vital o banco dos réus, o Conselheiro Pedreira, secretário do Supremo Tribunal, afastou aquele banco e foi buscar a sua poltrona, convidando o Prelado a assentar-se.

 

Esse notável Conselheiro do Império, veraneando em Caxambu, MG, acompanhado de sua primeira filha, Zélia, no esplendor dos seus 15 anos, visitou Nhá Chica, na vizinha Baependi, tendo ouvido falar da fama de sua santidade. Ele pediu a Nhá Chica orações pelo futuro da sua filha Zélia, que, constituía, pela sua formosura, inteligência precoce – falava várias línguas -, talento poético e literário e virtudes cristãs, o maior tesouro daquela família. Nhá Chica se retirou a rezar a Nossa Senhora e, após a Missa, disse ao Conselheiro: “Esta moça vai se casar, terá muitos filhos, depois será toda de Deus, Nosso Senhor”.

 

De fato, Zélia se casou com o Dr. Jerônimo, engenheiro formado em Ciências Humanas na Alemanha e em Engenharia Civil no Rio de Janeiro. Dos seus 9 filhos, 3 se tornaram sacerdotes e 6 se consagraram como religiosas. O casal, dono de grande fazenda de café, se dedicava a obras de caridade e evangelização, tornando-se exemplo de família cristã para o seu tempo e para os dias de hoje.

 

Jerônimo morreu com fama de santidade em 1909. Zélia, viúva, distribuiu todos os seus bens aos pobres e se consagrou como religiosa na Congregação Sacramentina, vindo a falecer em 1919. Nhá Chica foi beatificada em 4 de maio de 2013, pelo Cardeal Ângelo Amato, delegado do Papa Francisco, em Baependi. Jerônimo e Zélia, como o primeiro casal brasileiro, estão já no processo de beatificação.

 

A santidade está ao alcance de todos, europeus e brasileiros, ricos e pobres, letrados e analfabetos, brancos e negros. Está ao nosso alcance também.

 

*Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

http://domfernandorifan.blogspot.com.br/


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
#0•A3354•C638   2015-02-03 12:36:15 - Convidado/Dani Acioli
Sr.Sebastião Pacheco,

Para acreditar nesta história é preciso antes acreditar em Jesus quando ele diz: "Sejam perfeitos como o vosso pai é."

Quem creu nas palavras de Jesus, crê também que a santidade é possível.

Jesus não mente.

Ele não nos estimularia a algo que não podemos alcançar.

Mas a mentirinha que todo mundo acredita é a conversa mole dos "unxidos" e "abenxoados" dizendo que tiveram uma "visão" para fundar uma nova igreja.

Sem falar nos "milagres" com dias e horas marcadas.

A respe......

Ler mais...  -  Responder

:-)