ESPIRITUALIDADE (383)'
     ||  Início  ->  
Artigo

Quem o Demônio mais odeia dentro da Igreja?

 

Quem nos ajuda a entender um pouco mais sobre esta pergunta é o Padre Jose Antonio Fortea Cucurull, que é sacerdote e teólogo espanhol, especializado em demonologia. É exorcista em sua diocese e muito experiente por ter sido responsável por ter acompanhado muitos casos de reais possessões diabólicas e casos de libertações! Em 1998 ele defendeu sua tese de Licenciatura com o tema: “O Exorcismo na época atual”.

A Igreja conta entre os seus membros com cardeais, bispos, diáconos, pastores de todos os tipos, teólogos, pessoas que trabalham com a caridade, religiosos, missionários etc. Mas o que o demônio odeia mesmo é o ASCETICISMO. Isso nós podemos dizer com segurança, porque ninguém é tentado tanto quanto aquele que é dedicado à ascese. Caso aquele que realize uma função eclesial ou um ministério, leve nisso os anos que for se decide começar uma vida mais ascética, comprovará que as tentações se multiplicam por cem. Isso se deve ao fato de que o Maligno sabe muito bem que a ascese é uma força poderosíssima, é à força da Cruz, e a força da Cruz quebra a influência dele no mundo.

Alguém poderia dizer que o demônio mais deveria temer é o amor e, portanto, o que mais ele deveria odiar seriam as obras de caridade. Mas ele sabe que àquele que inicia o caminho de ascese, se perseverar, Deus concederá o dom da caridade em grau supremo. Entretanto, aquele que se dedica exclusivamente a realizar as obras de caridade pode nunca chegar a uma vida ascética.

Há pessoas que tem dedicado sua vida inteira às obras de caridade, e, contudo, abrigam muitos defeitos em sua alma. Alguém pode dedicar – se a ajudar os pobres e os enfermos, por exemplo, entretanto fazê-lo com murmurações, críticas, desobediência, etc. Porém, se o asceta perseverar na purificação gradual de sua alma, obterá todos os dons. Por isso o demônio odeia o asceta com maior intensidade que a hierarquia eclesiástica ou mesmo aos exorcistas. A exorcista expulsa um, dois, uma dúzia de demônios… O asceta quebra de um modo muito mais poderoso a influência demoníaca neste mundo, simplesmente por ostentar sobre seu corpo e seu espírito a paixão cotidiana de sua vida crucificada.

ASCETISMO significa: doutrina que considera a disciplina e o autocontrole do corpo e do espírito como o caminho a Deus, à verdade ou à virtude. A ascese é a prática da renúncia ao prazer ou mesmo a não satisfação de algumas necessidades primárias, é um processo de santificação pessoal,  mortificação. Ascese cristã é o esforço que fazemos para dominarmos os nossos sentidos, corrigirmos as nossas más tendências e vivermos um processo de libertação interior. A Igreja propõe aos fiéis como algumas das práticas ascéticas, o jejum, oração e a abstinência, penitenciais, Louvor, Adoração ao Senhor.

Ascese, ou exercícios espirituais, ensina sobre a comunhão com Deus. Dentro desse contexto pedagógico da mística teológica, temos o silêncio, solidão, deserto, tentação, contemplação e o conjunto da obra clássica das três vias: purgativa, iluminativa e unitiva. Essa é a fonte da ortodoxa espiritualidade cristã.

A Oração de Jesus

A Oração de Jesus encontra-se no coração da tradição ascética e mística do monaquismo contemplativo ortodoxo. Suas raízes remontam a mais alta antiguidade cristã, particularmente, a espiritualidade dos Padres do Deserto.

Um dos elementos mais importantes de qualquer regra de oração monástica na Igreja Ortodoxa é a “Oração de Jesus”, também denominada simplesmente de “Oração” ou “ação espiritual”. Sua forma exterior – poderíamos dizer, seu “material” - é a repetição com a maior frequência possível, do nome de Jesus Cristo, associada à oração do publicano (Lc 18,14), nestes termos:

“Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, pecador”.

Sua essência espiritual é a “descida da inteligência ao coração” chegando, pela purificação do pensamento e a recordação constante de Jesus Cristo, à iluminação do homem interior pela graça divina e a tomada de consciência da habitação mística no Espírito Santo. A prática desta oração é uma antiga tradição muito venerável na Igreja do Oriente. Brota de uma corrente espiritual que remonta os Padres do Deserto e é a expressão teológica do ensinamento dos grandes pensadores cristãos dos séculos II a IV. A fonte da teologia ascética e mística do Oriente é a riqueza do ascetismo e é urgente conhecer e viver essa bênção espiritual!

Essa conexão da “Oração de Jesus” com o ascetismo resulta numa intimidade profunda com Deus que faz o diabo odiar terrivelmente os ascetas na Igreja de Deus.

Frei Inácio José do Vale

Sociólogo em Ciência da Religião

Professor e Doutor em História do Cristianismo

Formador da Congregação dos Irmãozinhos de Charles de Foucauld

E-mail: pe.inacio.jose@gmail.com

Fontes:

http://pt.aleteia.org/2017/01/25/quem-o-demonio-mais-odeia-dentro-da-igreja/

http://www.ecclesia.org.br/biblioteca/espiritualidade/o-misterio-da-espiritualidade-monastica-ortodoxa.html

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
3 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)