Pregações: Homilias - Deixa a luz de cristo entrar! - por Padre José Ruy

Deixa a luz de Cristo entrar!
4º domingo da Quaresma



Caros irmãos, passados da metade deste tempo de preparação para a Páscoa do Senhor, como também acontece no advento, a nossa Mãe Católica, a Igreja, nos propõe um domingo de esperança e alegria. No advento este domingo é chamado “gaudete”, agora, na quaresma, se chama “laetare”. Domingo da alegria, que consola nosso caminho penitencial com a certeza da vitória da ressurreição.

E o símbolo predominante na liturgia de hoje é a luz, que é sinônimo de festa e de alegria, mas também de sinceridade e prontidão, ou, como diz a segunda leitura: bondade, justiça e verdade.

A luz completa o símbolo batismal da água, que meditamos no domingo passado. No Sábado Santo, todos nos encontraremos fora do Templo para abençoar o fogo novo e entoar o: Eis a luz de Cristo! Que todos os batizados recebem no dia de seu “novo nascimento”.

De fato, no início da Igreja os batizados eram chamados de “iluminados”, porque Cristo é a luz que ilumina todo homem, é a luz dos povos, é a luz do mundo! Ante esta luz não subsistem as aparências, mas aparece a verdade.

Na primeira leitura, diz Deus ao profeta Samuel: “Não julgo segundo os critérios do homem: o homem vê as aparências, mas o Senhor olha o coração”. (1Sm 16, 7); e na segunda leitura, São Paulo explica: “Não vos associeis às obras das trevas, que não levam a nada (...) [porque] tudo que é condenável torna-se manifesto pela luz” (Ef 5, 11.13).

Nossa tarefa de batizados, iluminados, é, portanto, a de vivermos como filhos da luz (Cfr. Ef 5, 8).

Mas a luz pode incomodar muito, quando já nos acostumamos ao escuro ou quando temos algo a esconder.
Tem muita gente que já se acostumou no escuro de uma vida sem Deus. E, neste local, já não consegue mais discernir as obras que Deus faz na sua vida. Quis falar sobre isso hoje não porque esteja preocupado somente com os que não conhecem a graça de Deus. Na verdade, eu sei que a maioria das pessoas que iniciam um processo de conhecimento de Deus são normalmente vibrantes e empolgadas. Minha preocupação são os batizados, os que caminham com Cristo, mas estão cansados.

Quando alguém se dispõe a caminhar é muito possível que se canse. Não é verdade? E o que posso dizer a estes maratonistas de Cristo, que já estão a caminho, mas estão cansados? “Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Vivei como filhos da luz” (Ef 5, 8). Ou seja: ânimo! Lembra de onde Deus te resgatou! Lembra que recebeste muita luz! Caminha como filho da Luz!

Uma grande tentação para os fiéis, pois estou pregando para os de dentro, é não olharmos mais para a beleza das obras de Deus. Termos os olhos fechados para o bem: tanto a bondade das pequenas coisas, como a bondade de Deus nas grandes coisas.

Outra questão é quando temos algo a esconder, não é? Aí a luz não mostra a beleza das obras divinas, mas a feiura do nosso pecado. Também tem muita gente que foge da luz, para que suas obras não sejam descobertas. Operação lava jato, carne fraca, ou sei lá o que mais, põe em xeque muitos esquemas das trevas. Jesus é luz e quaresma é tempo de operações de luz em nossa alma e é bom que estas coisas se resolvam logo. Não tenha medo! Pode parecer por um momento que as tudo vai vir a baixo, mas esta é a lógica da nova construção que Deus quer fazer. Seja dócil! Não tenha medo! É só luz. Deixa a luz do céu entrar!

Este é o tema do batismo, não é° mudança de vida. Mas para mudar é necessário que a luz de Deus entre. Dá vontade de parar a homilia por aqui e conduzir um momento de exame de consciência e cura interior. Porque só quando as obras de Deus forem reconhecidas, só quando nossas consciências estiverem purificadas pela luz, também nossas ações serão uma irradiação de Cristo, para a alegria dos nossos irmãos. “E o fruto da luz chama-se: bondade, justiça, verdade” (Ef 5, 9). Ser bom, justo e verdadeiro, esta é a postura de um filho de Deus. Deixa a luz de Deus entrar!

Chegamos ao Evangelho, que quando fala do cego de nascimento, também nos fala do caminho para o batismo e da importância da luz.

Em primeiro lugar, notem como o cego demora para ver Jesus. A primeira coisa que ele vê são as obras de Deus. Alguém que lhe põe lama nos olhos, que manda que ele se lave e que lhe dá o dom da visão. Por isso no início da homilia eu falava sobre a importância de reconhecer as obras de Deus, mesmo que você já caminhe há muito tempo na Igreja, Deus te chama hoje a um reconhecimento de suas maravilhas, por tanto, ao louvor.

Em segundo lugar, o milagre da visão não passa desapercebido pelos outros. Todo mundo se maravilha, todo mundo questiona-se, e, infelizmente, muita gente julga o curador e o curado, que dá a vista e quem recebe o dom da visão.

Sempre fiquei perplexo ante a atitude dos fariseus que não eram capazes de se maravilhar das obras de Deus, mas queriam sempre colocar a lei por cima da realidade. O esqueminha deles, na verdade, era o de manter-se, mas não o de se abrir para Deus. E não é verdade que muitos de nós vivem um esqueminha semelhante? Por isso quis falar no início da reflexão sobre a tentação de se esconder das trevas, para manter meu status, meu prestígio, minha segurança, meu pecado... E mais uma vez eu repito: Deixa Deus bagunçar a sua vida! Saia das seguranças das trevas, e vista-se com as armas da luz! Você se lembra? Também está na carta aos efésios: “O cinturão da verdade, a couraça da justiça e os pés calçados para anunciar a Boa Nova” (Cfr. Ef 6, 14-15). Verdade, justiça e bondade!

Por último, o cego que agora enxerga não fugiu da verdade e foi expulso da comunidade, mas foi acolhido por Jesus.

É bom terminar a homilia com este consolo. Abrir os olhos para as graças de Deus, louvá-lo, e romper com o pecado e com suas trevas pode trazer para nós a incompreensão e até a perseguição de muitos. Dentro do nosso próprio coração armam-se muitas batalhas contra nosso egoísmo e as paixões desordenadas, não é? Desafia a moda, os gostos e as expectativas dos outros, aquele gostinho do pecado. Quem se põe no caminho do Senhor deve preparar-se para a provação. (Cfr. Eclo 2, 1)

Mas não estamos sozinhos. Jesus se apresenta no momento da provação para nos consolar e fortalecer.

<<“Jesus soube que o tinham expulsado. Encontrando-o, perguntou-lhe: “Acreditas no Filho do Homem?” Respondeu ele: “Quem é, Senhor, para que eu creia nele?” Jesus disse: “Tu o estás vendo; é aquele que está falando contigo”. Exclamou ele: 38“Eu creio, Senhor!” E prostrou-se diante de Jesus.>> (Jo 9, 35-37)
Como é bom estar com Jesus, como é bom nos prostrarmos diante D’Ele. Quaresma é tempo de jejum e oração, tempo de caridade e de amor.

Deus abençoe a todos!
Padre José Ruy

Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
2 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)