MUNDO ATUAL (1266)'
     ||  Início  ->  
Artigo

A queda do número de católicos no Brasil

Sobre o último censo do IBGE que mostra uma “queda recorde de fiéis [católicos] no Brasil”, caberia fazer algumas ligeiras observações.

1. Como o Reinaldo apontou, a outra possível leitura dos dados do IBGE é a de que a esmagadora maioria (86,8%) dos brasileiros ainda são cristãos. Cabe, portanto, lembrar o lado cheio do copo.

2. A missão da Igreja Católica não é “ser popular”, e o Seu sucesso é medido pela fidelidade intransigente à Doutrina legada por Seu Divino Fundador – e não por métricas de IBOPE nem por taxas estatísticas de crescimento aplicáveis a empresas ou a bolsa de valores. E, no quesito “fidelidade”, a Igreja de Cristo vai muito bem, obrigado.

3.  Como disse alguém recentemente, a Igreja não está perdendo “fiéis”, e sim infiéis. Os fiéis, graças a Deus, continuam n’Ela. Esta diminuição do número de católicos não implica em uma diminuição da Sua força ou da Sua ação na sociedade porque os que saíram são, precisamente, os que já nada faziam por Ela.

4. A Igreja não tem problema em ser pequena. Historicamente, a propósito, Ela foi minoria (perseguida inclusive) por incontáveis vezes. Mesmo nos momentos de relativa tranquilidade e de exuberante desenvolvimento do catolicismo, o número de católicos convictos sempre foi e sempre vai ser muitíssimo menor do que o de batizados mais ou menos indiferentes à questão religiosa. A preocupação da Igreja é e sempre foi com a qualidade dos Seus fiéis, e não com a quantidade deles.

5. A evidente maior causa desta diminuição do número de católicos no Brasil é a adoção, por parte de algumas autoridades religiosas, de uma política de “boa convivência” com o mundo que termina degenerando, na prática, na negação da identidade católica. Catolicismo superficial e meloso (= “shows-missa”, “Jesus-amigão”, “fé-auto-ajuda”, etc.) e marxismo putrefato transvestido de doutrina católica (= “Teologia da Libertação”) são os grandes rombos no casco da nau da Igreja no Brasil responsáveis pela maior parte desta sangria de católicos.

6. Com todos os ataques que a Religião Verdadeira sofre nos dias de hoje, o que é verdadeiramente impressionante é que mais da metade dos brasileiros ainda tenham a coragem de se afirmarem católicos diante de um agente do Governo!

Num mundo onde o que é passageiro e efêmero é exaltado quase ao ponto da idolatria à guisa de exemplo, eu soube recentemente que alguém teve a ideia fantástica de imprimir livros que se autodestroem (a tinta desaparecendo e as páginas ficando em branco) depois de dois meses), torna-se admirável que ainda haja pessoas dispostas a guardar a Fé legada pelos cristãos dos tempos passados. Contra as tormentas atuais, o que permanece firme como rocha é a clareza daquela promessa de Cristo a São Pedro: non praevalebunt! A cultura do efêmero, por sua própria pregação inconsequente e irresponsável, há de passar: afirmar isso chega a ser redundante. E então a Igreja há de vicejar novamente sobre os escombros da modernidade falida. Por fim, triunfará o Imaculado Coração da Virgem como Ela prometeu. Façamos cada qual a nossa parte, enquanto esperamos no Senhor. Dias melhores virão, é certo.

Fonte: http://www.deuslovult.org/

Publicado por Jorge Ferraz em 12/07/2012.


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)