HISTóRIA (1397)'
     ||  Início  ->  
Artigo

CONSTANTINO E A IGREJA

Bob Stanley

 

PROVAS HISTÓRICAS E LÓGICAS QUE A IGREJA CATÓLICA NÃO FOI INVENTADA PELO IMPERADOR CONSTANTINO

 

Pra onde é que foi a IGREJA PRIMITIVA? Virou sorvete?Os inimigos da Igreja de Cristo, desesperadas quando denunciamos que suas seitas foram inventadas cerca de 15 ou mais séculos depois, então vieram com mais esta mentira... Uma mentira tão torpe, que não engana nem uma criança. É só dar uma olhada na História da Igreja nos três primeiros séculos. A Igreja tem uma série ininterrupta de 266 Papas: De Pedro até Francisco. De Pedro até Constantino foram TRINTA E DOIS PAPAS !!!

 

Então se Constantino fundou alguma Igreja...

 

- De qual igreja foram os 32 papas antes dele ?
- Se Constantino fundou alguma igreja, onde estão as provas...?
- Onde está um só documento histórico comprovando?
- Onde está o EDITO DO IMPERADOR Constantino ?

 

A Igreja não foi fundada por Constantino. Essa é uma mentira ridícula e sem fundamento.

Se ela foi fundada por Constantino, então explica essa lista de Papas aqui antes mesmo da mãe de Constantino pensar em Nascer?

 

São Pedro - Betsaida, papa de 32 a 67
São Lino - Túscia, papa de 67 a 76
Santo Anacleto - Roma, papa de 76 a 88
São Clemente I - Roma, papa de 88 a 97
Santo Evaristo - Grécia, papa de 97 a 105
Santo Alexandre I - Roma, papa de 105 a 115
São Sisto I - Roma, papa de 115 a 125
São Telésforo - Grécia, papa de 125 a 136
Santo Higino - Grécia, papa de 136 a 140
São Pio I - Aquiléia, papa de 140 a 155
Santo Aniceto - Síria, papa de 155 a 166
São Sotero - Campânia, papa de 166 a 175
Santo Eleutério - Epiro, papa de 175 a 189
São Vitor I - África, papa de 189 a 199
São Zeferino - Roma, papa de 199 a 217
São Calisto I - Roma, papa de 217 a 222
Santo Urbano I - Roma, papa de 222 a 230
São Ponciano - Roma, papa de 230 a 235
Santo Antero - Grécia, papa de 235 a 236
São Fabiano - Roma, papa de 236 a 250
São Cornélio - Roma, papa de 251 a 253
São Lúcio I - Roma, papa de 253 a 254
Santo Estevão I - Roma, papa de 254 a 257
São Sisto II - Grécia, papa de 257 a 258
São Dionísio - papa de 259 a 268
São Félix I - Roma, papa de 269 a 274
Santo Eutiquiano - Luni, papa de 275 a 283
São Caio - Dalmácia, papa de 283 a 296
São Marcelino - Roma, papa de 296 a 304
São Marcelo I - Roma, papa de 308 a 309
Santo Eusébio - Grécia, papa de 309 a 309

 

O que Constantino fez foi dar liberdade de culto aos cristãos, através do Edito de Milão, 313. Esses falsários não são novidade....

 

Bem disse São Paulo, que viria o tempo, em que as pessoas desviariam os ouvidos da verdade para aplicá-los às fábulas!

 

Estudem a História... Não tenham medo da Verdade que liberta! Aprofundar.

 

Portanto, pelas razões acima é de se supor que as portas do inferno PREVALECERAM contra a Igreja de Cristo (São Mateus 16,18) a qual “não tinha nome” e passou a chamar-se “IGREJA CATÓLICA”.E Cristo, como é que fica nesta história? UM FALSO PROFETA que profetisa algo que não se concretiza? Pelo que historicamente sabemos, antes de Constantino somente havia a Igreja primitiva e algumas seitas heréticas com pouquíssima ou nenhuma importância. O arianismo ainda não tinha surgido e o gnosticismo desaparecera no século III.

 

Portanto, se Constantino tivesse interesse em valer-se do cristianismo somente poderia ter escolhido a Igreja primitiva e nenhuma outra seita com pouca ou nenhuma importância para que pudesse ser-lhe de algum proveito.

 

Além disso, É MENTIROSA a afirmação de que a Igreja de Cristo não levava o nome de CATÓLICA e isto podemos provar por inúmeros documentos escritos e arqueológicos e entre estes vou mencionar três:

 

1 – O SÍMBOLO DOS APÓSTOLOS – É o “Credo”, composto pelos apóstolos, recitado pelos católicos em diversas circunstâncias. Dele temos vários e antigos registros, inclusive, encontramo-lo escrito no original de uma carta (c. 225) do bispo Marcelo de Ancyra , e figura também nos escritos de Justino, o mártir (150 d.C): Nele dizemos textualmente:

 

“Cremos na SANTA IGREJA CATÓLICA… na vida eterna. Amém”

 

2 – CARTA DE INÁCIO DE ANTIOQUIA – Aqui, Inácio de Antioquia, bispo e mártir, em sua epístola à Igreja de Smirna ele se refere à Igreja de Cristo chamando-a de IGREJA CATÓLICA:

 

“Considerai legítima a EUCARISTIA [missa] realizada pelo bispo ou por alguém que foi encarregado por ele. Onde aparece o bispo, aí esteja a multidão, do mesmo modo que onde está Jesus Cristo, aí está a IGREJA CATÓLICA” (Inácio de Antioquia, bispo cristão martirizado por volta de 107 d.C. por sua fidelidade a Cristo – Carta aos Esmirniotas cap. 8).

 

3 – CÂNON DE MORATORI – Escrito por volta de 150 d.C. este documento se refere à igreja primitiva com o nome de IGREJA CATÓLICA:

 

“Deve-se, entretanto, reconhecer uma só Igreja, disseminada por toda a terra. João também, no Apocalipse, embora escreva só para as sete Igrejas, fala para todas. As cartas a Filemon, Tito e as duas a Timóteo, se bem que tenham sido redigidas por amor (a essas pessoas), não o foram menos para a honra da IGREJA CATÓLICA e para organização da disciplina eclesiástica. Há em circulação também uma epístola aos Laodicenses e uma aos Alexandrinos, escritas sob o nome de Paulo em favor da heresia de Marcião, e certo número de outras, que não podem ser aceitas na IGREJA CATÓLICA, porque não convém misturar o fel e o mel”. (Cânon de Muratori escrito por volta de 150 dC).

 

 

A IGREJA

 

A Igreja Católica começou quando Jesus a instituiu e entregou seu comando a Pedro: "Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja"(Mt 16,18). O que houve em 381 foi o Concílio de Constantinopla, onde a Igreja confirmou as verdades do Credo. O decreto do Imperador Teodósio não é de 381, mas data de 28.02.380 e foi promulgado para tornar oficial a Fé Católica.

 

Agora as provas da Igreja Católica desde os primeiros cristãos: São Paulo já falava: “Porque eu sou o menor dos apóstolos, e não sou digno de ser chamado apóstolo, porque persegui a Igreja de Deus”(1Cor 15,9). - De qual Igreja fala o Apóstolo?

 

SÉCULO I/II: “A Igreja de Deus que peregrina em Esmirna à Igreja de Deus que peregrina em Filomélio e a todas as paróquias da IGREJA SANTA E CATÓLICA em todo o mundo”(Ig. Esmirna a São Policarpo, no seu martírio); SÉCULO II: “Não só pela essência, mas também pela opinião, pelo princípio pela excelência, só há uma Igreja antiga e é a IGREJA CATÓLICA. ". (Clem. Alex., deStromata 1.7. c. 15).

 

SÉCULO III: São Piônio (morto em 251) se lê que Polemon o interroga: “— Como és chamado? — Cristão. — De que igreja? — CATÓLICA” (Ruinart. Acta martyrum pág. 122 nº 9).

 

Já Santo Inácio, Bispo de Antioquia (+107 aprox.), escrevia: "Onde quer que se apresente o Bispo, ali esteja também a comunidade, assim como a presença de Cristo Jesus nos assegura a presença da Igreja Católica" (Aos Esmirnenses 8,2).

 

Quando você pedir a eles para "provarem" o que dizem, eles vão se referir ao "Édito de Milão" promulgado pelo Imperador Constantino em 313 D.C.

 

Esta falsa acusação está crivada de erros. Vamos examiná-los, um de cada vez...

 

1. Eles raciocinam erroneamente ao dizer que já que a Igreja Católica é chamada a "Igreja Católica Romana", ela tem que ter sido fundada por um Imperador Romano, no caso Constantino. Eles apontam para o "Édito de Milão", promulgado em 313 D.C., como "prova". Agora, se alguns deles simplesmente lessem o "Édito" por si mesmos, iriam descobrir que ele meramente deu ao Cristianismo a liberdade de praticar a fé abertamente e sem medo de perseguição por parte dos Romanos. Afinal de contas, por séculos os Cristãos foram perseguidos sem misericórdia pelos Romanos, desde o princípio. Foram os Romanos que pregaram Jesus Cristo na cruz e foi um soldado Romano que abriu Seu lado com uma lança. Você se lembra do Circo Romano e de todos aqueles leões famintos?

 

Nada é dito no "Édito" sobre Constantino ter fundado a "Igreja Católica", que nem mesmo é mencionada pelo nome no documento, e as pessoas que fazem esta falsa acusação não podem fornecer nenhum outro documento histórico genuíno que confirme tal suposição.

 

2. O segundo erro deles é o fato de que o termo: "Católico Romano", não foi nem mesmo criado até cerca de 1200 anos mais tarde no século XVI, pelos reformadores Protestantes, especialmente Anglicanos, porque queriam reter o nome "Católico" para si mesmos.

 

3. Seu terceiro erro é deixar de ler, ou aceitar, os documentos dos Pais da Igreja e outros escritores da Igreja. Centenas desses documentos claramente contém as palavras "Igreja Católica", e são datados desde 107 D.C.. Esta data é centenas de anos antes do "Édito" de Constantino ser promulgado. Escritos históricos genuínos nos quais aparece as palavras "Igreja Católica" estão em cada século desde 107 até e além da Reforma, e até os nossos dias.

 

O imenso volume desses documentos históricos genuínos é tão assombroso que significa uma continuidade que não pode ser negada.

 

Só Santo Agostinho mencionou a Igreja Católica pelo nome mais de 300 vezes em seus escritos. Só para citar alguns outros mais, Santo Atanásio e São Jerônimo também mencionaram a Igreja Católica pelo nome muitas vezes. Estes são apenas três exemplos tirados de inúmeros autores antigos.

 

4. Seu quarto erro é tentar mostrar que a "Igreja Católica", e a "Igreja Católica Romana" são duas Igrejas diferentes, quando de fato são a mesma e única Igreja.

 

5. O quinto erro é sua interpretação, por exemplo, da Igreja Católica Russa, da Igreja Católica Ucraniana, etc. Eles tentam mostrar divisões tais como Romana, Russa, Ucraniana, etc. Eles não conseguem perceber que há muitos Católicos naqueles e em muitos outros países, e elas não são Igrejas Católicas separadas, mas estão unidas à única Santa Igreja Católica. Os nomes somente as distinguem das Igrejas Ortodoxas naqueles países. Seria adequado dizer: "A Igreja Católica na Rússia, A Igreja Católica na Ucrânia, etc".

 

6. Seu sexto erro está preso ao primeiro pois os anti-Católicos tentam rotular a Igreja Católica como sendo uma "apóstata"* ou uma "Igreja Pagã", já que a acusam de ter "sido fundada" pelo Imperador Romano pagão Constantino. Se os detratores insistem nessa falsa acusação, eles então terão que admitir que a própria Bíblia que eles todos usam veio da mesma Igreja "apóstata" ou "pagã", e foi dada por aquela Igreja inúmeros anos depois da morte de Constantino.

 

*Chamar a Igreja Católica de "Igreja apóstata" é equivalente a chamar Jesus Cristo de mentiroso

 

(1João 5,10), pois Jesus prometeu em Mateus 28,20 que Ele estaria com Sua Igreja todos os dias de todos os séculos até o fim dos tempos, e sem intervalos. Ele também prometeu que o Espírito Santo estaria com sua Igreja para sempre, em João 14,16-17, e que Sua Igreja é a autoridade final em

 

Mateus 18,17, e que Ele não deixaria Sua Igreja órfã em João 14,18.

 

São Paulo escreveu em Efésios que: "como Cristo é a cabeça de Igreja, seu corpo, da qual ele é o Salvador." Efésios 5,21

 

Agora quem ou o quê é o Corpo de Cristo? É a Sua Igreja. Efésios 1,22-23

 

Então já que Jesus Cristo é o Salvador de Sua Igreja, como pode ser que ela tenha se tornado uma "Igreja apóstata"?

 

São Paulo também disse que é a Igreja que é o "coluna e sustentáculo da verdade",

 

em 1Timóteo 3,15. Ele não disse que era a Bíblia.

 

Então, por favor, alguém me diga como a Igreja que Jesus Cristo fundou poderia apostatar?

 

7. Seu sétimo erro é não ler a história de Constantino (285-337) que é bastante interessante, pois ele era um Imperador Romano pagão que foi Batizado na Igreja Católica logo antes de sua morte em 337. Se ele tinha fundado a Igreja Católica em 313 conforme alguns alegam, então por quê ele esperou até 337 para se juntar a ela? Como ele podia ter fundado uma Igreja a qual ele não pertencia? Como podia um pagão não batizado fundar a Igreja Cristã? Quem iria juntar-se a ela?

 

Sua mãe era Santa Helena que viajou até à Terra Santa em busca da verdadeira Cruz de Cristo. Ela a encontrou de forma milagrosa, mas esta já é uma outra história interessante.

 

 

CONCLUSÃO: - Mais uma vez fica provado histórica e documentalmente que os evangélicos mentem e muito. É muito difícil (ou talvez, até impossível) encontrar-se um único site protestante que não tenha pelo menos uma mentira.

 

OBSERVE-SE, no entanto, que todas as vezes que os desafiamos a localizar um única mentira em sites católicos (que não se refira a questões doutrinárias), ninguém até hoje conseguiu DENUNCIAR UMA MÍSERA MENTIRINHA.

 

Não será isto um claro sinal de que o ESPÍRITO SANTO DA VERDADE se encontra entre os católicos e não entre os rebelados?

 

Traduzido por Alessandro Lima, para o Veritatis Splendor, do original em inglês "The Roman Church of Constantine...", do site http://www.thecatholictreasurechest.com/.

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
#0•A3286•C612   2014-12-11 13:51:57 - Convidado/Dani Acioli
QUEM ALÉM DE JESUS CRISTO TEM AUTORIDADE PARA FUNDAR IGREJAS ?

13
NOV
Qualquer um pode fundar igrejas ?

Ora,

Jesus Cristo é o nome que está acima de qualquer outro nome.

Católicos, protestantes e evangélicos concordam.

Só Jesus Cristo é caminho.
Só Jesus Cristo é verdade.
Só Jesus Cristo é vida.

Todos concordam também.

Só Jesus Cristo cura.
Só Jesus Cristo salva.
Só Jesus Cristo liberta.

Só Jesus Cristo é o autor de toda santidade.
Ler mais...  -  Responder
#1•R612•C636   2015-01-28 17:07:31 - Convidado/Dani Acioli
Se fosse possível Constantino ter fundada alguma igreja, estariam todos os cristãos em maus lençois.

Por que ?

Porque a Igreja Católica é a única possível fonte divina para dar testemunho da Bíblia e de seus livros inspirados.

Considerando que Jesus não desceu do céu para nos entregar uma Bíblia e uma vez que nem católicos ou protestantes ouviram do céu a vóz do Senhor dizendo "Eis a Bíblia", como seria possível sabermos tratar-se a Bíblia a palavra de DEUS se não pela Igreja Católica que deu a Bíblia aos homens ?

Da mesma forma, não ......

Ler mais...  -  Responder

:-)