PRáTICA CRISTã (663)'
     ||  Início  ->  
Artigo

É possível o casamento perpétuo?

 

Sergio Sebold

Economista e Professor Independente

sebold@terra.com.br

 

O grande entrave para um bom casamento consagrado são as questões culturais, sociais e a fé dos jovens quando estão se preparando para uma vida em comum. A grande maioria, envolvidos por uma atmosfera hedonista, de consumismo e contradições morais, disseminada pela televisão, não tem noção do belíssimo significado do mistério da vida. Entram nesta muito mais como uma oportunidade do prazer pelo sexo do que um compromisso moral de deixar descendência.

Ao longo de uma vida a dois, quando surgem certas atitudes do jogo de esconde-esconde por um ou ambos nos seus relacionamentos, é mau sinal; começa a ser o princípio do fim.  A linguagem deixa de ser livre e aberta de forma espontânea entre ambos. É um sintoma que ambos (em geral) não foram devidamente preparados para este passo da vida cheio de mistérios e contradições.

 

Esconder algo do outro, ou os dois, de manter certas atitudes (entre outras bebidas, jogo, atitudes individualistas e egoístas) é abrir um abismo entre eles, é permitir que eles comecem se afastar, psicológica e emocionalmente um do outro em ritmo de conta gotas. Crescem os casos atuais em decorrência das facilidades geradas pela Internet, onde um e/ou outro ficam até tarde da noite cultivando amizades pelas redes sociais, até mesmo na vida real, o que não pode ser feito na frente um do outro. São na imensa maioria casos de amizades secretas, escondidas, que acabam na infidelidade.

 

Há outras formas como a de abrir conta bancária, sem que o outro saiba; quando ambos têm carro próprio é outra grande oportunidade. O automóvel é um agente oportuníssimo pela facilidade que se oferece de estar um longe do outro nestes momentos. Surge assim a “necessidade” de mentir, enganar, fazer jogo de palavras, inventar desculpas num processo que termina no abismo existencial da vida. Começa-se a perder a transparência, a confiança tão necessária para uma vida harmoniosa de amor.

 

É importante dizer que os filhos (quando ainda os há) na sua pura inocência estão percebendo qualquer ato desonroso que um ou outro esteja fazendo. Para suas personalidades em formação isto é terrível no longo prazo. A família é um teatro vivo, sem script, um projeto em construção por duas pessoas que se amam, homem e mulher.

 

Há uma falácia materializante hoje, de primeiro adquirir tudo em termos de conforto antes de assumirem o “sim”. O verdadeiro encanto matrimonial está no fato de que todos os problemas e desafios devem ser resolvidos e construídos em conjunto. De maneira humilde. Isto sim dá uma formidável força de um amor duradouro e fecundo para toda a vida.

 

A beleza do relacionamento é quando os dois vivem um para o outro exclusivamente, numa paz espiritual e muita alegria, com o objetivo centrado no compromisso moral de deixar sua própria descendência: os filhos. O prazer pelo sexo é o ingrediente hormonal necessário para a vida, quando praticado com dignidade e honradez; sem isso não estaríamos aqui.

 

Para os que têm consciência cristã, uma primeira dica - em nosso entender primordial - rezar juntos, diariamente antes de dormir. Não importa a fórmula. Mesmo na vida atribulada este momento sempre haverá. Este procedimento, alem dos valores teológicos cristãos, levam a uma paz interior para ambos os cônjuges indescritível.

Mesmo em condições profissionais adversas, deve haver um compromisso de sempre dormir no mesmo horário. Nunca se deve deitar sem estar em paz um com outro. Vejam-se como uma só carne, os dois são templos do Espírito Santo. Busquem doar-se sempre, amem-se.

 

A solidez da união se mantém quando há um diálogo permanente e constante, numa via de mão dupla. Não guardar segredos. Quando um fala, por mais banal que seja o assunto, ouça. Ambos estão aprendendo e se fortalecendo na confiança do amor. A vida em comum só é possível em total compartilhamento (*).

 

Todo o ser humano é uma individualidade ontológica. Respeitar o espaço do outro é essencial. Embora seja preciso estar sempre aberto um com o outro, há momentos de silêncio reflexivo necessário. Pode ser um hobby, atividade de lazer, ou mesmo ficar quieto num canto, ler um livro, assistir um programa de TV específico; isto serve como um processo de desintoxicar emocionalmente as pessoas. Neste particular deve-se respeitar um ao outro. Ambos têm suas personalidades inerentes ao seu gênero, gostos, preferências individuais, sonhos, fantasias. Entretanto este espaço não pode ser invocado para se alienar da família ou a interesses egoístas.

 

Quando o casal está plenamente focado em seus objetivos, não há espaços para divergências significativas. Por exemplo, número e educação dos filhos, adquirir uma casa, automóvel, uma viagem. Os objetivos claros fixados em comum é uma tarefa que une o casal.

 

Uma última proposta é respeitar e honrar a pessoa do cônjuge. Isso importa louvá-los pelas suas boas ações; não permitir que falem mal dele e mesmo não criticá-lo para outra pessoa. Marido que honra sua mulher, a ouve, se sacrifica por ela. A mulher que honra seu marido demonstra confiança inabalável em sua liderança.

 

Uma família saudável, onde prevaleça ternura em vez da violência, doação em vez do interesse, harmonia em vez da agressão; mais compreensão, tolerância e amor; nestes padrões ela se torna indestrutível. No final na “viagem”, dirão: valeu a pena. Obrigado meu Deus.

 

(*) Veja http://www.pr.gonet.biz/kb_read.php?pref=htm&num=3445

 

Oração

Senhor Jesus, fonte de toda graça para a vida matrimonial na dignidade sacramental, dá-nos o entendimento pleno da grandeza do sagrado matrimônio. Não permitas Jesus, que por falta de um entendimento suficiente da grandeza do matrimônio, por Ti instituído, venhamos a banalizá-lo ou depreciá-lo. Dá-nos a graça de entender que o que uniste não pode ser separado, porque é Sacramento sagrado. Ajuda-nos Senhor a não virarmos objetos frágeis nas garras do sistema social vigente que empurra a todos para essa máquina ‘faminta’ de prazer irresponsável e que não produz felicidade verdadeira. Abençoa Jesus, as pessoas que contraíram o Sacramento do Matrimônio. Ajuda-os a viverem na graça do amor verdadeiro, na fidelidade e na harmonia. Coloca-os a salvo de todas as ciladas do Maligno, que só quer destruir, incitando-os à infidelidade. Que os lares por Ti formados, possam contar também com a tenacidade, a força, o empenho e a persistência dos casais em viver em estado de graça, que garante a fidelidade sempre. Que os casais alimentem cada vez mais, um pelo outro, uma grande compaixão. A verdade e a retidão sejam a base de relacionamentos afetivos e efetivos realmente sólidos e maduros. Abençoai Senhor, os casais, para que um veja no outro a Tua insubstituível presença. Que as famílias sejam cada vez mais um terreno fértil para o desenvolvimento da santidade do casal e dos filhos. Amém.

Pe. Renato dos Santos, SDB.  

----------------

 

(28/09/15) Atualizado


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)