||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 392 
deus = 17 
vida = 5 
face = 4 
veremos = 4 
criatura = 3 
moisés = 3 
beleza = 3 
novo = 3 
homem = 3 
agora = 2 
PeRReflexões Mostra-me a Tua Beleza (0.57) Estêvão Bettencourt 1326
#725 Janeiro 1995, 01 [392, janeiro 1995, céu, Deus]

É este encontro com Deus face-a-face que chamamos o céu; é portanto algo bem diferente do que comumente se imagina; a bem-aventurança celeste não é uma edição revista, melhorada e ampliada da vida presente; não é parque luminoso, com fontes de água, córregos, plantas e amigos, mas é algo que ultrapassa longe essas concepções materiais. O Apóstolo diz: "O que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e o coração do homem jamais percebeu, eis o que Deus preparou para aqueles que O amam" (1Cor2,9).
2 #REVISTA = 392 
deus = 77 
meditação = 34 
oração = 29 
espírito = 23 
cristã = 22 
mantra = 20 
vida = 19 
cristão = 19 
homem = 17 
palavra = 17 
PeRLivros A Trilha da Meditação (1.18) Estêvão Bettencourt 2738
#731 Janeiro 1995, 01 [392, janeiro 1995, panteísmo, hinduísmo, meditação, maranatha, John Main]

O livro de John Main propõe aos cristãos um método de meditação que mais se assemelha às técnicas de oração hinduístas do que aos métodos cristãos de oração mental. Supõe, de certo modo, o panteísmo: Deus seria atingível fisicamente mediante a concentração mental; o orante, meditando, se poria na onda de Deus, e entraria em contato com o centro do mundo que é também o centro do homem. O autor recomenda a repetição do mantra Maranathá... o que propicia o estreito contato com a Divindade.
3 #REVISTA = 392 
deus = 40 
coelho = 19 
paulo = 18 
paulo coelho = 18 
maria = 15 
deusa = 12 
livro = 12 
razão = 11 
grande = 10 
milagres = 10 
PeRLivros Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei (1.51) Estêvão Bettencourt 3518
#732 Janeiro 1995, 01 [392, janeiro 1995, magia, esoterismo, misticismo, Paulo Coelho]

Paulo Coelho escreve um romance em que o amor de dois jovens se estreita em torno de valores religiosos ou "místicos". O rapaz é iniciado numa religião tendente à mitologia (venera a Mãe Terra, assemelhada à Virgem Santíssima, que, por sua vez, é tida como deusa ou como a face feminina de Deus); é seminarista católico, que realiza milagres, mas renuncia ao Seminário e à faculdade de realizar milagres para se unir à jovem Pilar, amiga de infância, que ele reencontra após onze anos de ausência, tornando-a adepta de suas crenças religiosas, "místicas" e eclética. O livro é fantasioso e irreverente, pois joga com conceitos e valores da fé católica, misturando-os com elementos de mitologia e magia.
4 #REVISTA = 392 
sexual = 17 
relacionamento = 14 
vida = 12 
casamento = 11 
conjugal = 7 
sexo = 7 
relacionamento sexual = 6 
namoro = 5 
relações = 5 
matrimônio = 5 
PeRPrática Cristã Relações pré-matrimoniais, válidas ? (1.06)Dr. Hélio Begliomini 2463
#733 Janeiro 1995, 01 [392, janeiro 1995, sexo, matrimônio, vida conjugal, relações]

O Dr. Hélio Begliomini, pós-graduado pela Escola Paulista de Medicina, trata, como médico, das relações pré-matrimoniais. Mostra que, em vez de favorecer uma vida conjugal mais sólida e feliz, têm contribuído para dificultar a convivência de marido e mulher. Com efeito; dão a entender subliminarmente que casamento é principalmente vida sexual, quando na verdade implica um dia-a-dia vivido a dois em atitude de doação generosa e paciente. Além disto, as relações pré-matrimoniais propiciam a transmissão da AIDS e de várias doenças venéreas, que podem perdurar mesmo depois do casamento legítimo, prejudicando a vida conjugai. Mais: o aborto decorre, não raro, desse tipo de relacionamento, e a vida moral dos dois parceiros tende a se abalar, pois cede a paixões e até a eventuais desatinos. — As energias que não se gastam nas relações pré-matrimoniais, serão canalizadas em benefício da vida intelectual, esportiva, profissional e religiosa dos interessados.
5 #REVISTA = 392 
noivos = 13 
cursos = 12 
curso = 10 
participantes = 9 
maior = 8 
casamento = 7 
casais = 7 
vida = 6 
educação = 6 
dinâmica = 6 
PeRPrática Cristã Cursos para noivos, o que dizer? (2.48)Dr. Hélio Begliomini 5749
#735 Janeiro 1995, 01 [392, janeiro 1995, casamento, noivado, matrimônio, vida conjugal]

O Dr. Hélio Begliomini, que vem trabalhando há cerca de doze anos em Cursos de Preparação de Noivos para o Casamento, fala de sua experiência pessoal. Julga que os candidatos ao matrimônio geralmente se apresentam muito despreparados para enfrentar certos aspectos da vida conjugal: desenvolvimento da gravidez, acompanhamento pré-natal, aleitamento, vacinações, doenças sexualmente transmissíveis, métodos de controle da natalidade.
6 #REVISTA = 392 
anônimos = 25 
recuperação = 23 
drogas = 21 
adictos = 21 
grupo = 18 
nossas = 18 
outros = 16 
vida = 16 
programa = 16 
vício = 15 
PeRO Que É? Narcóticos Anônimos (1.34) Estêvão Bettencourt 3106
#742 Janeiro 1995, 01 [392, janeiro 1995, narcóticos anônimos, vício, álcool, drogas, grupo, ajuda]

Os Narcóticos Anônimos constituem grupos que se reúnem periodicamente em vista de ajuda mútua na procura da sua recuperação. São dependentes de drogas em gerai, que muitas vezes caem no desespero por perceberem que sua vida se vai destruindo, sem que eles tenham força para se libertar do vício. Esses grupos funcionam informalmente; em suas sessões os adictos (= dependentes) trocam experiências, propósitos e contam vitórias obtidas mediante a observância de Doze Passos de um roteiro bem traçado. Não estão ligados à política nem a algum Credo religioso; todavia reconhecem que somente Deus (como cada um O pode conceber) os pode libertar do vício.