||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 528 
deus = 14 
filho = 4 
amor = 4 
criatura = 4 
males = 4 
pecado = 3 
humano = 3 
homens = 3 
autor = 3 
cada = 3 
PeRReflexões Com amor eterno Eu te amei (0.69) Estêvão Bettencourt 1486
#1167 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, amor, Deus, encarnação, santa margarida maria, sagrado coração]

Estas palavras da Escritura significam que Deus nunca existiu sem amar a cada um de nós. - Tal é a verdade mais típica do Cristianismo,... verdade que o diferencia de qualquer religiosidade meramente filosófica ou natural. Sim; para a filosofia grega, Deus não pode amar o que não é perfeito, ao passo que, para o Cristianismo, Deus cria valores e os ama irreversivelmente; Ele não pode dizer Não após ter dito Sim; mesmo quando recebe um Não da parte da criatura livre (cf. 2Tm2, 11-13).
2 #REVISTA = 528 
deus = 11 
aparições = 10 
astronautas = 8 
homens = 8 
terra = 8 
deuses = 7 
tais = 7 
seres = 6 
inteligentes = 6 
existência = 6 
PeRCiência e Fé Discos Voadores e Fé Católica (0.63) Estêvão Bettencourt 1360
#1168 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, Däniken, astronautas, ETs, aliens, planetas, Bíblia]

A existência de seres inteligentes em outros planetas é compatível com a fé católica. O que esta não aceita, são as interpretações de textos bíblicos tidos como expressões de viagens de Ets à Terra.
3 #REVISTA = 528 
igreja = 54 
deus = 35 
povo = 24 
povo deus = 16 
leigos = 15 
cristo = 15 
homens = 11 
humanidade = 10 
pessoas = 9 
sacramento = 9 
PeRIgreja Será possível outro modelo de Igreja? (0.64) Estêvão Bettencourt 1391
#1169 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, povo, democracia, sacramento, ordem sacramental, eclesiogênese, teogênese, autogênese]

A revista ALTERNATIVAS, da Nicarágua, propõe um modelo de Igreja "povo de Deus", constituída por leigos ao serviço dos quais estaria o clero. A coordenação deveria ser exercida não por ministros ordenados, mas por representantes da comunidade sob forma de rodízio. - É evidente que esta concepção se opõe a doutrina do Concílio (que ela evoca em seu favor!); que considera a Igreja como sacramento continuador do sacramento da santíssima humanidade de Cristo.
4 #REVISTA = 528 
igreja = 34 
católica = 24 
cristo = 18 
elementos = 15 
igreja cristo = 12 
igreja católica = 12 
fora = 10 
subsiste = 10 
comissão teológica = 8 
teológica = 8 
PeRIgreja A Igreja de Cristo Subsiste na Católica (1.02) Estêvão Bettencourt 2215
#1170 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, concílio vaticano 2, papa João XXIII, protestantes, ortodoxos, ecumenismo]

O Concilio do Vaticano II afirmou que a Igreja de Cristo subsiste na Católica. Quis assim dizer que todos os meios de salvação se encontram na Igreja Católica. Fora desta, porém, o Concílio reconhece haver elementos da Igreja, como são a leitura da Bíblia, o martírio, a oração... são dons de Deus que conduzem para a unidade católica; as comunidades que cultivam tais dons, se acham em comunhão imperfeita com a Igreja Católica e, por isto, pode-se afirmar que estão contidas no conceito de Igreja entendida em sentido amplo.
5 #REVISTA = 528 
igreja = 12 
battistini = 3 
livro = 3 
cristo = 3 
amor = 3 
igreja cristo = 2 
segundo = 2 
amar igreja = 2 
inquisição = 2 
entregou = 2 
PeRLivros Por que amo a Igreja (0.80) Estêvão Bettencourt 1729
#1171 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, Igreja, fidelidade]

Frei Francisco Battistini oferece ao público mais um de seus valiosos escritos, intitulado "POR QUE AMO A IGREJA". Trata-se de uma longa e minuciosa apologia da Igreja Mãe e Mestra. Refere treze razões para amar a Igreja, no intuito de ajudar os católicos a amar a Igreja... "Não existe amor e fidelidade a Cristo sem amor e fidelidade à Igreja. Quem ama a Cristo, automaticamente ama a Igreja".
6 #REVISTA = 528 
canto = 16 
homem = 12 
novo = 10 
anjos = 9 
cântico = 7 
livro = 5 
cantos = 5 
cristo = 5 
cântico novo = 5 
homem novo = 4 
PeRLivros O Canto Cristão na Tradição Primitiva (1.05) Estêvão Bettencourt 2267
#1172 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, Xabier Basurko, canto, música, paganismo, tradição]

O autor começa mostrando a valorização do canto e da música em geral entre os povos pagãos. O cristianismo professa também esse valor, depurando-o, porém, das conotações erotizantes da praxe pagã. O canto sacro foi altamente conceituado por toda a Tradição cristã, que chegou a ver nele uma antecipação do júbilo final. "Veremos (a Deus)... Amaremos... e Louvaremos" (S. Agostinho).
7 #REVISTA = 528 
macacos = 16 
homem = 9 
alma = 9 
humano = 8 
matéria = 7 
waal = 7 
frans waal = 6 
somos = 6 
frans = 6 
humana = 6 
PeRCiência e Fé Somos Macacos (0.70) Estêvão Bettencourt 1512
#1173 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, macacos, evolução, alma, Frans de Waal, conceitos, primatas, linguagem, razão, fé]

O professor Frans de Waal declara que "somos macacos", não levando em conta a composição psicossomática do ser humano. Este, por sua corporeidade, pode provir de um vivente (primata) anterior, de acordo com a linguagem dos fósseis. O corpo humano, porém, é animado por uma alma espiritual, que não pode ter origem na matéria em evolução, mas é criada diretamente por Deus. As provas da espiritualidade da alma são sucintamente recordadas no corpo deste artigo.
8 #REVISTA = 528 
vida = 17 
corpo = 14 
pessoas = 7 
além = 6 
moody = 6 
depoimentos = 6 
livro = 6 
quase-morte = 5 
ponto = 5 
ouvir = 5 
PeRLivros Reflexões sobre “Vida Depois da Vida” (0.70) Estêvão Bettencourt 1508
#1174 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, Raymond Moody Jr, morte, quase-morte, além]

O autor já é conhecido por seu livro "Luz do Além" comentado em PR 522/2005, pp. 534ss. É autor também de livros que recolhem e comentam o depoimento de pessoas que estiveram na "quase-morte" e voltaram à normalidade. O primeiro desses volumes foi publicado em português em 1979 com o título "Vida depois da Vida". Em 1982 (no Brasil) editou novo livro intitulado "Reflexões sobre Vida depois da Vida", livro este que será analisado nas páginas subsequentes. Os depoimentos apresentados revelam o modo de pensar fantasioso das pessoas entrevistadas e não deve ser tomado como Introdução ao Além.
9 #REVISTA = 528 
igrejas = 20 
deus = 14 
igreja = 9 
históricas = 7 
deve = 6 
brasil = 6 
igrejas históricas = 5 
povo = 5 
anos = 4 
independentes = 4 
PeRProtestantismo Por que se multiplicam as igrejas? (0.68) Estêvão Bettencourt 1465
#1175 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, protestantismo, doutrina, teologia da prosperidade, neopentecostal]

O pastor José Alves da Silva julga que as igrejas protestantes neopentecostais se multiplicam tão facilmente porque prometem mais benefícios ao homem do que adoração a Deus. O povo procura aí resolver seus problemas sem se interessar devidamente pelo louvor a Deus.
10 #REVISTA = 528 
século = 8 
luitprando = 6 
obscuro = 4 
papa = 4 
papado = 4 
famílias = 4 
roma = 4 
igreja = 4 
fonte = 3 
fatos = 3 
PeRIgreja O Século Obscuro (1.25) Estêvão Bettencourt 2702
#1177 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, século X, papa João XI, Luitprando, Marósia, papa Sérgio III, século de ferro, Voltaire, Maistre]

O século X é tido como o século obscuro na história do Papado, pois este foi então muito influenciado por monarcas estranhos e por famílias dos arredores de Roma. É preciso reconhecer a realidade dos fatos, mas deve-se notar que a principal fonte de informações é Luitprando de Cremona, infenso às famílias de Roma. que ele terá procurado denegrir. Além do mais, veja-se nos episódios do século X o testemunho de que a Igreja não é governada apenas por homens, mas também pela Providência Divina, que a sustenta especialmente nos momentos difíceis.
11 #REVISTA = 528 
mulher = 6 
brasil = 3 
dulce = 3 
mulher brasileira = 2 
resultado = 2 
maria = 2 
irmã dulce = 2 
brasileira = 2 
cantora = 2 
irmã = 2 
PeRPesquisa Mulher Brasileira Mais Apreciada (0.62) Estêvão Bettencourt 1338
#1178 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, pesquisa, mulher]

O jornal O ESTADO DE SÃO PAULO promoveu um inquérito entre os seus leitores indagando qual seria a mulher brasileira mais estimada. O resultado foi publicado no caderno RETRATOS DO BRASIL de 8/2/ 2006. Dá prioridade a uma Religiosa, como se pode ver a seguir...
12 #REVISTA = 528 
igreja = 22 
valdo = 13 
valdenses = 12 
cristo = 8 
século = 7 
lião = 7 
católica = 6 
sacramentos = 6 
pregar = 6 
ministro = 6 
PeRO Que É? Os Valdenses: Quem São? (3.45) Estêvão Bettencourt 7464
#1179 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, Pedro Valdo, protestantismo, Lutero, Calvino, século XII, pobreza, São Francisco, subjetivismo, objetivismo, escrituras]

Os Valdenses têm por fundador um certo Pedro Valdo, que no fim do século XII começou a pregar o Evangelho na França, juntamente com companheiros chamados "os pobres de Lião". Apregoavam a pobreza, mas careciam do devido preparo para pregar o Evangelho. Tendo resistido à admoestação do Bispo de Lião, foram excomungados. Tornaram-se aos poucos uma corrente herética, que acabou desligando-se da Igreja Católica. No século XVI aderiram à Reforma calvinista. Hoje em dia são um ramo do protestantismo existente na Itália.
13 #REVISTA = 528 
johrei = 17 
deus = 17 
homem = 11 
corpo = 10 
doenças = 7 
espiritual = 6 
espírito = 5 
mundo = 5 
corpo espiritual = 4 
perfeito = 4 
PeRTeologia Johrei: A Vereda do Século XVI (1.66) Estêvão Bettencourt 3584
#1181 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, Johrei, Deus, curas, matéria, espírito, doenças funcionais, doenças orgânicas]

Tem-se propagado a crença no Johrei com promessas de curas portentosas. Na verdade o Johrei admite um Deus em evolução colaborando com o homem para a cura de doenças - concepção que fere a lógica; Deus não pode estar em evolução. Afinal, o que é Johrei?
Ver comentários...
14 #REVISTA = 528 
judas = 31 
jesus = 11 
evangelho = 10 
mulher = 9 
evangelho judas = 8 
casa = 6 
pesos = 6 
copta = 5 
trinta = 5 
cristã = 5 
PeREscrituras O Evangelho de Judas (0.68) Estêvão Bettencourt 1474
#1182 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, Judas, copta, Egito, Beni Masar]

Foi recentemente publicada a tradução inglesa de um texto copta dito "Evangelho de Judas", que tenta reabilitar Judas: este não terá traído Jesus, mas terá executado ordem divina, que lhe mandava entregar Jesus para a salvação do mundo. - Esta tese é de origem gnóstica, não cristã. A tradição cristã, que procede diretamente dos Apóstolos, vê em Judas um traidor, que se enforcou arrependido (?) por volta de 30 e não pode ser o autor de um Evangelho escrito por volta de 150.
15 #REVISTA = 528 
vinci = 9 
igreja = 9 
filme = 7 
código = 6 
jesus = 6 
cristo = 6 
código vinci = 6 
milhões = 6 
novela = 6 
católicos = 5 
PeRMundo Atual O Código Da Vinci (filme) (0.73) Estêvão Bettencourt 1569
#1183 Junho 2006, 15 [528, junho 2006, Dan Brown, da Vinci, filme]

A Conferência dos Bispos do México emitiu uma Declaração em que analisa os erros de história do filme "O Código Da Vinci" e propõe aos fiéis católicos atitudes a tomar perante o ímpeto agressivo da película, que se prevê terá 800 milhões de espectadores.